ALERTA: Marisa Lobo denuncia a liberação de 100 mil do Governo para ONG abortista


A psicóloga e pré-candidata ao cargo de Deputada Federal pelo Paraná esse ano, Marisa Lobo, afirmou que foi dado "um golpe na surdina para patrocinar aborto" no Brasil, após a publicação no Diário Oficial da União de um "Extrato de Termo de Fomento" que tem como um dos objetivos "elaborar estratégias de enfrentamento ao fundamentalismo religioso".

O documento citado deixa claro que a ONG "Católicas pelo Direito de Decidir" está sendo beneficiada pela Secretaria Especial de Política para as Mulheres, ao receber a quantia de R$ 100.000,00 reais para "organizar uma Frente Popular Inter-religiosa" com o objetivo de "elaborar estratégias de enfrentamento ao fundamentalismo religioso".


A ONG "Católicas pelo Direito de Decidir" é uma organização de viés político, feminista e liberal, notadamente alinhada com partidos de esquerda, presente em 12 países no mundo. Fundada no Brasil em 1993, a organização já foi repudiada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em uma nota publicada no passado:

"Esclarecemos que se trata de uma entidade feminista (...) que atua em articulação e rede com vários parceiros no Brasil e no mundo, em particular com uma organização norte-americana intitulada Catholics for a Free Choice", diz um trecho da nota.

"Sobre esta última, a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos já fez várias declarações, destacando que o grupo tem defendido publicamente o aborto e distorcido o ensinamento católico sobre o respeito e a proteção devidos à vida do nascituro indefeso; é contrário a muitos ensinamentos do Magistério da Igreja; não é uma organização católica e não fala pela Igreja Católica", acrescenta o texto, segundo o Veritatis Splendor.

"Golpe na surdina", diz Marisa Lobo


A psicóloga, que também é pesquisadora de gênero e autora do livro "Ideologia de Gênero na Educação", fez a denúncia em sua página pessoal no Facebook. Segundo ela, o acordo firmado entre a União e a ONG abortista tem como intenção promover a legalização do aborto no Brasil.


"Eles utilizam o mesmo discurso de sempre, sobre direitos das mulheres, luta contra o fundamentalismo religioso e a defesa do Estado laico, mas todos nós já estamos cansados de saber que isso não passa de uma estratégia para promover a legalização do aborto e outras pautas feministas e LGBT", disse Marisa em resposta ao Opinião Crítica.

"Foi um golpe na surdina. Eles aproveitaram o momento da população envolvida com a Copa do Mundo e também a maior ausência dos parlamentares no Congresso essa época do ano", acrescenta.

Na página da ONG "Católicas pelo Direito de Decidir" são especificados os objetivos da organização, confirmando sua motivação política e ideológica:

"Nossas atividades são direcionadas para as mulheres, jovens, LGBTs, negras, pois acreditamos ser essencial o fortalecimento destes grupos sociais, sejam eles organizados ou não", diz um trecho, destacando "a construção do discurso ético-teológico feminista pelo direito de decidir que defenda a autonomia das mulheres, a diversidade sexual".


Para ler a íntegra do documento publicado no Diário Oficial da União, clique aqui.

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.