O Rascunho de um Amor Inacabado!

((•)) Ouça este post

 

Vou afastar os móveis quando você entrar na sala
Apagar as luzes, só para criar um clima, nosso!
Colocar tecidos novos sobre a cabeceira do sofá
Fazer cara de timidez, apenas pra te deixar mais a vontade;


Vou colocar na mesa as taças e as desculpas
O vinho deitado na consciência perdida entre abraços
Calor carente de vontades, frio cálido em lábios desenhados;


Vou deixar que o silêncio grite o escondido na janela da tua alma
Escutar o não dito por entre as frestas das armaduras
Com tempero de prepotência e duas pitadas de ousadia
Será o dia singular na história repetida em dias cansados;


Vou segurar teus cabelos em minhas mãos
Deixar escapar entre os dedos o medo de saber o que é amor
Te sufocar com a sensibilidade de rosas protegidas por espinhos
O contrário de paisagens em preto e branco ditando regras;


Vou romper com sua ideia de normal
Ser o parêntese não escrito em milênios de poetas embriagados
O calor desafiando o frio. Frio na presença do calor;


Vou te vestir lentamente, só para te ensinar cuidado
Servir o teu prato, apenas pra dizer que isso é doação
Perguntar como foi o seu dia, pra dizer que me importo
Cantar versos em um violão inspirado pela memória, embora esquecido;


Vou ser isso, rascunho de um amor inacabado
Letras arranjadas em versos no branco de uma tela solitária
O sentimento que te alcança para além do tempo e espaço;


Essa coisa que agora bate no teu peito!

As Pessoas Não são Más, Elas só estão Perdidas!

((•)) Ouça este post


O título acima retirei de uma postagem feita no Facebook, sob o nome de Tainã Ribeiro. Ele se referia a um vídeo que até o momento contava 1.518.059 visualizações. Vi alguns contatos compartilharem o vídeo dizendo frases como "Chorei! Emocionalmente... O mundo ainda não tá 100℅ perdido". Ao ver o vídeo pude constatar que realmente é difícil assistir cenas de solidariedade tão significativas e não ficar emocionado. Mas, na verdade, o que me fez escrever esse post foi uma pergunta que me veio a mente no final do vídeo: ___É verdade que o mundo está ficando cada vez mais insensível? Antes de continuar, peço que veja o vídeo clicando AQUI: Volto em seguida.

Espere... Você viu o vídeo? Por favor, veja. Depois continue a leitura!

Ok, voltei

Lembrei das palavras de Jesus Cristo ao dizer que nos últimos dias "...o amor de muitos se esfriará". Ele fala isso logo após dizer que "...por se multiplicar a iniquidade". Está no livro de Mateus, capítulo 24 versículo 12. Essa afirmação não poderia ser mais precisa. De fato, o mundo está cada vez mais insensível. Escrevi recentemente um texto que em parte elucida um pouco a razão disso, caso tenha o interesse de ler, o texto é "A morte das Utopias e o Reinado da Solidão Compartilhada"

Cenas como as do vídeo tem o poder de comover ALGUMAS PESSOAS profundamente, porque estamos tão rodeados de eventos trágicos que já perdemos a referência das boas coisas. A violência virou show de comédia, com a absurda diferença de que na antiguidade, nas arenas romanas e gregas onde humanos se digladiavam e presos eram devorados vivos por ursos e leões, a sociedade vivia conforme o nível de compreensão da época. Aquela violência não serve para nós como referência de "agressividade" ou modelo cultural, tendo em vista que a escravidão, por exemplo, era aceita como "normal" e algumas etnias de povos nem eram consideradas como de "pessoas" (dai a concepção de "bárbaros"). Na sociedade atual o conhecimento que adquirimos depõe contra nós. Não bastaram os exemplos de culturas passadas, cuja violência era mero fruto das ignorâncias. O que dizer então, quando homens tidos atualmente por "ícones da sabedoria", como Aristóteles, via as mulheres como algo não muito diferente de uma ÉGUA? Para ele a mulher não passava do rascunho de um homem! Mais próximo a nós, Nietzsche também via as mulheres como nada tão diferente do que “...gatas, aves, ou quando muito, vacas. Qual é então a referência de sabedoria que temos dos nossos antigos, para servir de comparação com a normatização da violência atual, quando até mesmo os grandes filósofos detinham conceitos tão distorcidos sobre os semelhantes?

Mais uma vez repito: na sociedade atual o conhecimento que adquirimos depõe contra nós. O que deveria ser meio de "evolução humana", este conhecimento meramente utilitário, nos serve mais para convivermos de forma igualmente utilitária. O que escapa disso são atitudes como essas que vemos no vídeo. Gestos que partem do verdadeiro SER HUMANO. Daquilo que apesar de parecer cada vez mais distante e/ou desconfigurado em nós, ainda existe por NATUREZA. A humanidade, potencialidade para PERCEBER, SENTIR e PENSAR acerca do que experimentamos. Poder a partir disso construir SIGNIFICADOS. A humanidade ainda reside nessas capacidades, que quando bem desenvolvidas e orientadas para o que é bom a todos, resulta no que chamamos de CIVILIZAÇÃO. 

Por fim, que a capacidade de se emocionar e chorar perante gestos de carinho, amor e solidariedade, continue presente em muitos de nós, porque é desse SER-SENSÍVEL que parte o que realmente somos: SERES CRIADOS PARA AMAR! Se cada um de nós tivermos um pouco disso, cenas como essas do vídeo serão rotinas e já não ficaremos tão surpresos quando elas aparecerem diante de nós, e então o que nos chocará e fará derramar lágrimas não será mais os atos simples de... humanidade, mas sim tudo o que contraria ela. A indiferença, egoísmo, avareza, luxúria, amargura, rancor, ódio, soberba, mortes, alienação, intrigas, desespero, guerras, a fome, a solidão...  Se um dia a humanidade evoluir como humanidade até chegar nesse ponto, veremos o amor como shows na TV, e não humanos transformados em zumbis!

Com lágrimas...

Abraço e até a próxima...

/
2leep.com