Posts em Destaque

Confira nossas últimas atualizações abaixo e compartilhe

Record detona Rede Globo e Caetano Veloso em caso de pedofilia no MAM

Record detona Rede Globo e Caetano Veloso em caso de pedofilia no MAM


Após defender a exposição de uma criança em suposta cena de "arte" com homem pelado, a Rede Globo e o cantor Caetano Veloso são desmascarados em reportagem feita pela Rede Record.


Uma semana após a Rede Globo fazer uma reportagem vergonhosa e manipuladora sobre o caso de "pedofilia" no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo, onde uma criança foi incentivada pela própria mãe a tocar em um homem nu, a Rede Record resolveu dar voz a opinião não apenas da absoluta maioria da população brasileira, como de especialistas que afirmam categoricamente ter sido a exposição de "arte" um abuso infantil.

Contrastando drasticamente com a matéria da Globo, veiculada no último domingo, dia 18, a Record entrevistou especialistas como a Psicóloga Marilene Kehdi e a Psicopedagoga Irene Maluf, além de juristas e filósofos, todos contrários ao caso do MAM.


Caetano Veloso teria praticado o crime de pedofilia


Um ponto em destaque na matéria foi a revelação de que o cantor Caetano Veloso teria praticado o crime de pedofilia ao retirar a virgindade da sua atual esposa, Paula Lavigne, na época, com apenas 13 anos de idade.

O motivo do cantor e sua esposa terem se tornado alvos da matéria é que ambos motivaram uma campanha de protesto reunindo personalidades, todos defendendo a exposição no MAM e também a do "Queermuseu", cancelada em Porto Alegre após acusações de apologia à zoofilia, pedofilia e vilipêndio religioso.

A Rede Record destacou também a indignação da população contra a Rede Globo, repercutida no mundo inteiro, devido sua clara apologia à erotização infantil.

Por fim, o fato é que independente dos interesses da Record em se aproveitar da indignação popular contra a Globo, a reportagem veiculada nesse domingo (15) reflete a opinião de milhões de brasileiros, que através dessa matéria certamente se viram ouvidos e respeitados como, de fato devem ser.

Assista a matéria da Rede Record completa abaixo:




Deus será eliminado pela inteligência artificial, disse autor de "O Código Da Vinci" durante entrevista

Deus será eliminado pela inteligência artificial, disse autor de "O Código Da Vinci" durante entrevista


A humanidade já não precisa de Deus, mas pode, com a ajuda da inteligência artificial, desenvolver uma nova forma de consciência coletiva que cumpre o papel da religião, disse o autor dos EUA, Dan Brown, nesta quinta-feira.


Brown fez o comentário provocativo na Feira do Livro de Frankfurt, onde ele promoveu seu novo romance, "Origem", a quinta edição do professor de "simbologia" de Harvard, Robert Langdon, protagonista do "Código Da Vinci", um livro que questionou a história do cristianismo.

"Origem" foi inspirado pela pergunta "Deus vai sobreviver à ciência?", Disse Brown, acrescentando que isso nunca aconteceu na história da humanidade.

"Nós somos ingênuos hoje para acreditar que os deuses do presente sobreviverão e estarão aqui em cem anos?", disse Brown, de 53 anos, em uma conferência de imprensa lotada.


Na Espanha, "Origem" abre com Langdon chegando ao Museu Guggenheim, em Bilbao, para o anúncio de um futurista bilionário recluso que promete "mudar o rosto da ciência para sempre".

Comentário:

O discurso de Brown sobre a possibilidade da ciência eliminar a "necessidade" da religião ou do próprio Deus é uma repetição histórica, já bem conhecida no universo da Teologia. Tal afirmação não é nenhuma novidade, mas pelo contrário, ela apenas enfatiza o quanto a existência do sentimento religioso é um fato que escapa ao pleno domínio da ciência.

Por vários séculos, cientistas, intelectuais e pesquisadores das mais diversas áreas do conhecimento humano desenvolveram a noção de que a ciência faria a religião desaparecer. Que o misticismo e o próprio conceito de Deus seriam eliminados. Entretanto, para espanto de muitos e fundamento teórico da Teologia, a ciência, na verdade, deixou de ser vista como uma rival da religião, para se tornar sua grande aliada.

A evolução do conhecimento científico não confronta Deus, mas apenas lhe confirma. A ciência, ou seja, o pensamento crítico, puramente racional, pode fazer desaparecer o misticismo, a crença, isto é; discursos sem fundamentos lógicos baseados apenas em tradições, mas não em evidências que encontram apoio na própria ciência. O conceito de um ser Criador vai muito além do misticismo.

Ainda assim, até mesmo uma crença sustentada apenas por uma tradição é considerada importante, por exemplo, no campo da psicologia social, visto que integra a formação de pensamento e conduta de uma pessoa.

Em todo caso, a evolução da ciência fundamenta a fé em Deus, especialmente para os que estudam seriamente o assunto. Fatos antes desconhecidos, por exemplo, sobre a grandeza do universo, ou mesmo sobre o perfeito funcionamento de uma célula humana, demonstram com clareza algo que o autor Norman L. Geisler chama de "Complexidade Irredutível". Um nível de informações e sintonia entre elas tão absurdo que é impossível ter sido concebida pelo acaso.

Por fim, diante desses fatos e do crescente número de cientistas que advogam uma fé em Deus, também, com base no que descobrem em seus estudos, é certo que o discurso de Dan Brown não passa de mais um jogo de marketing para promover seu novo livro.

Uma coisa é certa: como cientista, pensador e teólogo, Brown é um ótimo escritor de ficção.


Fonte: Chistian Post
Comentário: Will R. Filho
O ataque da Rede Globo à família e aos cristãos é patrocinado com a sua audiência

O ataque da Rede Globo à família e aos cristãos é patrocinado com a sua audiência

Por várias décadas a emissora de TV Rede Globo é considerada a preferida do brasileiro, apesar de ser, também, o canal que mais promove a desconstrução de valores que são pilares da família e fé cristãs, defendidos pela absoluta maioria da população.


Não é de hoje que a Rede Globo, tanto a TV como outras empresas do mesmo grupo, promovem conteúdos que afrontam valores chamados de "tradicionais" e os cristãos em geral, especialmente os evangélicos. Em seus quase 50 anos de existência, a emissora se consolidou e passou à integrar o dia-a-dia do brasileiro, sendo hoje assistida de forma automática por milhares de cidadãos.


Quem nunca entrou numa loja de eletrodomésticos e não viu ali, nas TVs expostas na vitrine, todas sintonizadas no canal da Rede Globo? Ou mesmo na recepção de uma clínica médica, consultório jurídico, departamento público, etc. Em qualquer salinha de espera vemos como é fácil comprovar a lavagem cerebral sofrida pelo brasileiro.

Da mesma forma ocorre na casa de muitas famílias. Ligar a TV é sinônimo de sintonizar o canal Globo. Assistir novela ou telejornal significa assistir a Rede Globo. A emissora conseguiu durante décadas de alienação mental - condicionar - o comportamento do brasileiro ao ponto de se tornar parte da sua família.

Sem perceber, o cidadão educa seus filhos na frente da TV e os acontecimentos da novela, assim como o dia e horário do futebol influenciam diretamente seus afazeres diários. O que deveria ser um conteúdo meramente seletivo se tornou automático e viciante.


Novelas, futebol e bobagens, a receita de alienação da Rede Globo contra o brasileiro


Se você olhar toda a programação do canal Globo e dividir seu horário útil em percentagem, verá que cerca de 80% dele é ocupado com novelas, fofoca sobre novela, programa de auditório, futebol ou jornal "esportivo" que fala majoritariamente sobre futebol. Isso, claro, sem mencionar mini-séries e outras produções de época, tais como o Big Brother Brasil, que esbanjam inutilidades na forma de "entretenimento".

O jornalismo e escassos programas com alguma qualidade informativa devem ocupar, talvez, 20% do horário nobre da programação, e ainda assim não estão livres de manipulação. Foi o que despertou a revolta de muitos brasileiros, por exemplo, no último domingo, quando o programa "Fantástico", já desmascarado aqui sobre o tema "transgêneros", resolveu defender a mediocridade "artística", o crime de vilipêndio religioso e promover a ideologia de gênero, tudo de forma absurdamente manipuladora, sem qualquer imparcialidade jornalística.

É através das novelas, principalmente, que a Rede Globo induz sua visão de mundo na sociedade. Diferente do que muitos argumentam, a novela não apenas imita a vida real, mas também cria e a recria, sempre, através da sua narrativa. A novela trás para o ambiente familiar questões que jamais seriam discutidas se não fosse por esse meio, e isso não com a intenção de apenas produzir um "debate", mas sim de influenciar a maneira como tal família enxerga o assunto.

A novela, ao mesmo tempo que lança um questionamento, oferece a resposta, e é por essa resposta que tanto pode ser implícita ou explícita, que emissoras como a Rede Globo influenciam a sua família, seus filhos, criando por consequência - falsos - "debates" na sociedade que visam apenas normalizar os conteúdos protagonizados nas cenas de ficção.

Quem financia o conteúdo da Rede Globo é você, através da sua audiência


Você é cúmplice do que critica ou aprova na Rede Globo. Muitos não se dão conta desse fato banal, mas você já parou para pensar o que sustenta a programação das emissoras de televisão?

O que financia a programação de canais como a Globo são principalmente os patrocinadores, empresas que compram horários de transmissão para exibirem suas propagandas durante os intervalos das programações.

O famoso "comercial" é o espaço de tempo utilizado pelas empresas anunciantes para venderem seus produtos, e o valor desse horário, bem como o número de anunciantes, é determinado pelo número de telespectadores sintonizados naquela programação. Se uma novela, por exemplo, possui muita audiência, ela receberá mais ofertas de patrocínio durante sua faixa de transmissão.

O número de audiência, portanto, é o que determina o número de anunciantes, e o número de anunciantes é o que determina o sucesso - ou o fracasso - da programação. Sendo assim, quando você não assiste uma programação, está contribuindo para seu fracasso. Em outras palavras, você está dizendo para a emissora e para os possíveis anunciantes que não tem interesse de ver aquilo.

É dessa forma que forçamos uma emissora a produzir conteúdos de qualidade, pois no final da história, quem realmente paga a conta dos funcionários da empresa somos nós, os telespectadores, através da nossa audiência.

Tenha como exemplo o canal HBO, que recentemente foi obrigado à retirar da sua programação o desenho pornográfico a "Festa da Salsicha", após milhões de pessoas protestarem e denunciarem o conteúdo malicioso transmitido em horário nobre, na parte da tarde. Além de excluir o conteúdo, o canal foi multado pelo Ministério Público em R$ 2 milhões pela transmissão inapropriada.

Não se trata apenas da Rede Globo, mas é notório que ela exemplifica as demais


Não pense que esse texto é uma crítica apenas ao grupo Globo. O fato é que essa Rede de canais e empresas associadas é o maior exemplo de conteúdo para as demais emissoras, sendo copiada em muitos aspectos pelas demais, tais como a Rede Record.

O critério seletivo do telespectador deve se aplicar à todas as emissoras, incluindo as "fechadas". Todavia, a Rede Globo, pelos motivos já explicados acima, é a grande responsável por conteúdos que atacam frontalmente valores tradicionais da sociedade e da família, especialmente os cristãos.

Se você concorda com o conteúdo desse texto, faça a sua parte e proteste através da sua audiência. Reflita sobre a influência que algumas programações de TV exercem sobre a sua família e, se preciso, mude de canal ou deligue a TV. As velhas desculpas de antigamente não cabem atualmente, pois a internet, bem como outras fontes de informação e mídia, oferecem conteúdos de melhor qualidade e de forma acessível.

A decisão de continuar sendo cúmplice ou não é sua.


Por: Will R. Filho
URGENTE: Atentado nos EUA deixa 50 mortos e mais de 200 feridos em show

URGENTE: Atentado nos EUA deixa 50 mortos e mais de 200 feridos em show


Atirador abriu fogo do 32º andar de um hotel junto ao qual acontecia um festival de música country.


Mais de 50 pessoas morreram e 200 ficaram feridas em tiroteio durante um festival ao ar livre junto ao Hotel Mandalay Bay, em Las Vegas, confirmou o xerife da polícia local, Joe Lombardo. O tiroteio durou vários minutos e aconteceu na madrugada de segunda-feira (hora local), início da manhã (...).


O mesmo responsável pela polícia afirmou estar sendo procurada uma pessoa do sexo feminino, de origem asiática, que pode ter ligação com o atacante, que era um habitante da cidade. O xerife não falou sobre a natureza dessa relação, apenas que teria sido vista na sua companhia.

O atirador foi identificado por oficiais como Stephen Paddock, de 64 anos, relatou a NBC News' Pete Williams.

Paddock, que matou 50 pessoas e feriu mais de 200, morou em Mesquite, Nevada, de acordo com as informações. O xerife de Nevada, Josef Lombardo, disse que os policiais encontraram armas em uma sala que o Paddock ocupou, não fornecendo mais detalhes sobre o assunto.

Veja no vídeo abaixo o momento do ataque:



Com informações: Diário de Notícias / Sputnik
Aprovação de ensino religioso nas escolas revela a hipocrisia de quem é contra o Escola sem Partido

Aprovação de ensino religioso nas escolas revela a hipocrisia de quem é contra o Escola sem Partido


Aprovado pelo Supremo Tribunal Federal, o ensino religioso nas escolas públicas do Brasil revela o quanto críticos do projeto Escola Sem Partido sofrem de hipocrisia e desonestidade intelectual


Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4439, segundo a qual o ensino religioso não poderia ser feito com base em uma religião específica, mas apenas como uma visão abrangente sobre as "religiões", sem a possibilidade de que os professores pudessem representar alguma doutrina em particular.


Com a rejeição da ADI, professores que se identificam com alguma religião específica poderão ensinar sobre elas. Ou seja, fica a critério da disponibilidade do profissional e interesse da escola em poder contratar ou não um professor, que pode ser voluntário, de certo credo religioso.

Apesar de obrigatório o ensino religioso no ensino fundamental, segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a disciplina de religião é - optativa - e, portanto, a participação do aluno é voluntária. Tanto o estudante quanto sua família podem rejeitar o ensino, ficando dispensado da disciplina caso não tenham interesse.

Críticas sobre o ensino religioso nas escolas e a hipocrisia contra o Escola Sem Partido


O projeto Escola Sem Partido, para quem ainda não conhece, se trata de um Projeto de Lei (PL) que visa tornar obrigatório a colocação nas escolas de um cartaz, com 06 pontos, contendo observações referentes à atuação do professor nas escolas. Veja abaixo:



Observe que o item número 01 está escrito que: "O Professor não se aproveitará da audiência cativa dos alunos para promover os seus próprios interesses, opiniões, concepções ou preferências ideológicas, religiosas, morais, políticas e partidárias".

O item 02 especifica ainda mais, ao dizer que: "O Professor não favorecerá nem prejudicará os alunos em razão de suas convicções políticas, ideológicas, morais ou religiosas, ou da falta delas".

Como podemos observar, o Escola Sem Partido não trata de um "partido" ou "causa" em particular, mas visa justamente garantir que a sala de aula não se transforme em um palaque político-ideológico, ou mesmo religioso e moral, preservando assim a consciência dos alunos quanto à educação e princípios que receberam de suas famílias.

No entanto, foi só falar de ensino religioso em sala de aula para a grande mídia começar a utilizar o termo "doutrinação". Ora, há mais de uma década o movimento Escola Sem Partido (ESP) vem denunciando a doutrinação política e ideológica nas salas de aula (incluindo a religiosa, como você mesmo(a) pode ler acima), mas para essa mesma mídia o termo utilizado quando se refere ao ESP é outro, chama-se "mordaça".

Eles querem determinar o que deve ser doutrinado e não proibir a doutrinação


Observe que diferentemente da militância político-ideológica na sala de aula, quando professores utilizam o espaço de suas disciplinas - obrigatórias - para aliciarem alunos em prol de suas causas, a medida que aprova o ensino religioso é optativa. Não há, nesse caso, uma "plateia cativa", pois o aluno participa da aula de religião se quiser.

Por outro lado, o Escola Sem Partido visa combater não a opção de um Professor ensinar o que acredita para um aluno que voluntariamente deseja aprender, mas sim de alunos serem - obrigados - a ouvirem o que não gostariam de professores que, verdadeiramente, ensinam o que não deveriam.

Supondo, mesmo assim, que o tal ensino religioso fosse obrigatório e de apenas uma religião (o que não é o caso), para que os críticos de tal medida fossem coerentes deveriam também ser contrários por exemplo, a ideologia de gênero nas escolas, bem como o proselitismo partidário através de campanhas em prol de um partido "A" ou "B", como é feito por entidades como a União dos Estudantes com o apoio de vários professores. Isto é, questões que são claramente de ordem moral e ideológica, assim como é também a religião, do campo moral.

Portanto, está claro que o "X" da questão de quem critica o ensino religioso da forma como foi aprovado pelo STF não têm relação alguma com a liberdade do aluno, sua autonomia e preservação de consciência, mas sim com o fato de ser o Brasil um pais 90% cristão, sendo essa religião, o cristianismo, o berço da moralidade que mantém intactos os ideais civis que a ideologia "esquerdista" tanto pretende desconstruir.

Não é uma luta contra a "doutrinação", mas contra a possibilidade de que através da religião, seja qual for, mas especialmente do cristianismo, o Brasil resgate antigos valores disciplinares, de conduta, filosofia de vida e família, que décadas atrás faziam da escola pública a melhor desse país.


Por: Will R. Filho
Vinho brasileiro é eleito o 5º melhor do mundo e custa menos de R$ 50

Vinho brasileiro é eleito o 5º melhor do mundo e custa menos de R$ 50


O Casa Perini Moscatel (3º à esquerda) é o vinho brasileiro mais bem colocado.


O espumante brasileiro Casa Perini Moscatel, da vinícola Perini, foi o escolhido como o quinto melhor vinho do mundo pela Associação Mundial de Jornalistas e Escritores de Vinhos e Licores (WAWWJ).


Ele custa R$ 43,50. No total, 11 vinhos brasileiros aparecem entre os 150 melhores do mundo na lista. Todos os brasileiros do ranking são espumantes. Seus preços variam de R$ 30 a R$ 117,00.

Confira os rótulos brasileiros na lista, e os preços sugeridos pelos fabricantes*:

5º - Casa Perini Moscatel, da vinícola Perini: R$ 43,50

14º - Garibaldi Espumante Chardonnay Brut, da vinícola Garibaldi: R$ 36

32º - Garibaldi Espumante Moscatel, da vinícola Garibaldi: R$ 36

41º - Marcus James Espumante Brut, da vinícola Aurora: R$ 29

43º - Garibaldi Espumante Prosecco Brut, da vinícola Garibaldi: R$ 36

61º - Ponto Nero Brut Rosé de Noir, da vinícola Domno: R$ 117,11 (preço na cidade de São Paulo)

65º - Ponto Nero Brut, da vinícola Domno: R$ 55,77 (preço na cidade de São Paulo)

83º - Aurora Espumante Moscatel Branco, da vinícola Aurora: R$ 26,80

117º - Zanotto Espumante Moscatel, da vinícola Campestre: R$ 40 a R$ 50

125º - Zanotto Espumante Brut, da vinícola Campestre: R$ 30 a R$ 40

144º - Privillege Peterlongo Espumante Brut Rosé, da vinícola Armando Peterlongo: R$ 49 a R$ 65

* Trata-se de valores sugeridos pelas empresas, que podem variar de um lugar para o outro.



Fonte: UOL Economia
Abuso sexual infantil deixa sequelas no cérebro que podem influenciar comportamento, aponta pesquisa inédita

Abuso sexual infantil deixa sequelas no cérebro que podem influenciar comportamento, aponta pesquisa inédita

Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram ver mudanças nas estruturas neurais em áreas específicas do cérebro de pessoas que sofreram abuso infantil.


As dificuldades associadas ao abuso infantil incluem riscos acrescidos de transtornos psiquiátricos, como depressão, bem como altos níveis de impulsividade, agressividade, ansiedade, abuso mais frequente de substâncias e suicídio.

O abuso sexual infantil e não-aleatório afeta entre 5-15% de todas as crianças menores de 15 anos no mundo ocidental.

Pesquisadores do McGill Group for Suicide Studies, do Instituto de Saúde Mental de Douglas e do Departamento de Psiquiatria da Universidade McGill, publicaram pesquisas no American Journal of Psychiatry sugerindo que os efeitos duradouros das experiências traumáticas da infância, como o abuso sexual, podem ser devido a uma estrutura [cerebral] afetada e ao funcionamento das células no córtex cingulado anterior.


Esta é uma parte do cérebro que desempenha um papel importante na regulação das emoções e do humor. Os pesquisadores acreditam que essas mudanças podem contribuir para o surgimento de transtornos depressivos e comportamentos suicidas.


O isolamento das fibras nervosas se acumula durante as duas primeiras décadas de vida


Para a função ideal e a organização do cérebro, os sinais elétricos utilizados pelos neurônios podem precisar viajar em longas distâncias para se comunicar com células em outras regiões. Os axônios mais longos deste tipo geralmente são cobertos por um revestimento chamado mielina. As bainhas de mielina protegem os axônios e os ajudam a conduzir sinais elétricos de forma mais eficiente. O mieloma aumenta progressivamente (em um processo conhecido como mielinização), principalmente durante a infância, e depois continua a amadurecer até o início da idade adulta.

Estudos anteriores mostraram anormalidades significativas na substância branca no cérebro de pessoas que sofreram abuso infantil. (A matéria branca é constituída principalmente por bilhões de fibras nervosas mielinizadas e empilhadas juntas). Mas, como essas observações foram feitas observando os cérebros de pessoas vivas usando MRI, era impossível obter uma imagem clara das células e moléculas de matéria branca que foram afetados.

Para obter uma imagem mais clara das mudanças microscópicas que ocorrem nos cérebros de adultos que sofreram abuso infantil, graças à disponibilidade de amostras de cérebro do Banco de Cérebro de Douglas-Bell, no Canada (onde, além do cérebro, é necessário muitas informações sobre a vida de seus doadores), os pesquisadores conseguiram comparar amostras de cérebro pós-morte de três grupos diferentes de adultos: pessoas que haviam cometido suicídio, que sofriam de depressão e tinham história de abuso na infância (27 indivíduos); pessoas com depressão que se suicidaram, mas que não tinham história de serem abusadas quando crianças (25 indivíduos); e tecido cerebral de um terceiro grupo de pessoas que não tinham doenças psiquiátricas nem história de abuso infantil (26 pessoas).

A conectividade neural prejudicada pode afetar a regulação das emoções


Os pesquisadores descobriram que a espessura do revestimento de mielina de uma proporção significativa das fibras nervosas foi reduzida apenas nos cérebros daqueles que sofreram abuso infantil.

Eles também encontraram alterações moleculares subjacentes que afetam seletivamente as células que são responsáveis ​​pela geração e manutenção de mielina. Finalmente, eles encontraram aumentos nos diâmetros de alguns dos maiores axônios entre esse grupo, e especulam que, em conjunto, essas alterações podem alterar o acoplamento funcional entre o córtex cingulado e as estruturas subcorticais, como a amígdala e o núcleo accumbens (áreas do cérebro ligadas respectivamente a regulação emocional, a recompensa e satisfação) e contribuem para o processamento emocional alterado em pessoas que foram abusadas durante a infância.

Os pesquisadores concluem que a adversidade no início da vida pode interromper de forma duradoura uma série de funções neurais no córtex cingulado anterior. E enquanto eles ainda não sabem onde no cérebro e quando, durante o desenvolvimento, e como, em um nível molecular esses efeitos são suficientes para ter um impacto na regulação das emoções e o apego, eles agora estão planejando explorar isso em pesquisas futuras.

Comentário:

Esse estudo é de grande importância, pois sugere o que no âmbito do comportamento é observado pela psicologia. Sabemos claramente que o abuso infantil gera consequências psicológicas, afetando o comportamento da vítima, mas comprovar isso também através da alteração de microestruturas no cérebro reforça essa noção.

Vale ressaltar que o estudo constata também a plasticidade neuronal. Isto significa que tais alterações podem não ser definitivas. As emoções influenciam a formação das conexões cerebrais e como algo "fluido" pode ser afetado também no decorrer da vida.



Por: Bruno Geoffroy - Universidade McGill
Comentário: Will R. Filho
Câncer de mama: novo estudo revela contraste capaz de identificar tratamento mais eficaz já na fase inicial da doença

Câncer de mama: novo estudo revela contraste capaz de identificar tratamento mais eficaz já na fase inicial da doença


Um estudo feito por pesquisadores da Universidade Case Western Reserve, nos Estados Unidos, conseguiu descobrir que um novo agente de contraste de imagem por ressonância magnética (IRM) é capaz de detectar o câncer de mama na fase inicial, além de distinguir se o tumor é agressivo ou de lento crescimento, revelou a revista “Nature” nesta segunda-feira.

De acordo com o biomédico e principal responsável pelo estudo, Zheng-Rong Lu, o trabalho poderá ajudar os médicos “a encontrar o tratamento adequado” para cada paciente. Após diversos testes com ratos, os pesquisadores descobriram que o agente de contraste a base de gadolínio é também mais eficiente e seguro do que os agentes tradicionais, pois usa uma dose 20 vezes menor e que o corpo elimina mais facilmente.


Para fabricar esse agente novo, Lu e a equipe combinaram o agente de contraste chamado Gd3N@C80, considerado altamente eficiente, com um peptídeo chamado ZD2, desenvolvido em laboratório pelos próprios especialistas. Eles perceberam que frente ao gadolínio empregado em agentes tradicionais, a estrutura do Gd3N@C80 era “diferente”, porque os íons do gadolínio ficavam presos em uma molécula de fulereno, que se assemelha a uma bola de futebol.

“Essa jaula evita o contato direto entre o gadolínio e o tecido, e o gadolínio não se solta, evitando qualquer tipo de interação com o tecido”, explicou.

Segundo Lu, a tecnologia fundamental no agente de contraste é o peptídeo encostado.

No experimento, o ZD2 foi aplicado à superfície da molécula de fulereno e, depois disso, o peptídeo detecta especificamente a proteína do câncer EDB-FN. A EDB-FN, que se associa à invasão de um tumor, a metástases e a resistência aos fármacos, se manifesta altamente na matriz que rodeia às células cancerígenas em muitas formas agressivas de câncer, segundo a “Nature”. Ao fazer testes com seis ratos, a IRM identificou o câncer de mama em todos os casos.

De acordo com os pesquisadores, o sinal criado pelo acúmulo de moléculas de contraste em três tipos agressivos de câncer de mama era significativamente mais brilhante. Por outro lado, no caso dos cânceres de lento crescimento o sinal permanecia fraco. Atualmente, a equipe de Lu investiga formas de reduzir o custo da produção deste agente para que se uso se torne atraente para clínicas e hospitais.


Fonte: Efe