Janaína diz que Bolsonaro precisa “se retirar” e sugere que Mourão assuma seu lugar

A deputada Janaína Paschoal (PSL-SP) demorou a se pronunciar sobre a saída de Sérgio Moro do ministério da Justiça e Segurança Pública, bem como sobre às acusações feitas pelo ex-ministro ao presidente Jair Bolsonaro.

Na manhã deste sábado, porém, Janaína não apenas se manifestou, como fez declarações graves ao pedir que o vice-presidente, Hamilton Mourão, assuma o lugar de Bolsonaro na presidência.

“Nunca defendi pessoas. Sempre defendi e defendo ideias e ações. Nunca vocês me ouviram adjetivar quem quer que seja. Nós não votamos em Bolsonaro! Votamos em dois grandes compromissos! Os compromissos com a luta contra a corrupção e com uma política econômica liberal”, disse ela.

“Se os Ministros Militares retirarem o apoio a Bolsonaro e Mourão garantir esses dois pilares, bem representados por Guedes e Moro, poderemos colocar o país no rumo rapidamente”, completou Janaína através das suas redes sociais.

Janaína, que foi a principal figura durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016, afirmou que realizar o mesmo procedimento contra Bolsonaro levaria muito tempo – apesar da situação atual ser diferente -, sugerindo então que a renúncia do presidente seria a melhor alternativa.

“Não há tempo para um processo de impeachment moroso e desgastante. Eu tenho experiência para falar. Bolsonaro precisa, ao menos uma vez, colocar o Brasil acima, retirando-se. Temos um vírus a combater, temos empregos a resgatar, precisamos de alguma estabilidade!”, escreveu a deputada.

Janaína contra Bolsonaro

Não é a primeira vez que Janaína Paschoal pede a renúncia do presidente Bolsonaro. Uma vez que não há denúncias formais de crimes praticados contra o chefe do Executivo – como houve no caso de Dilma Rousseff -, a deputada tem recorrido a este argumento para se posicionar contra o governo.

Em março desse ano, Janaína também pediu na Assembleia Legislativa de São Paulo a renúncia de Bolsonaro, segundo a deputada, pela forma como o presidente abordou a pandemia do novo coronavírus no Brasil. O deputado Marco Feliciano, aliado do governo, rebateu:

“Em mais um de seus já conhecidos surtos de narcisismo, hoje a deputada estadual Janaina Paschoal assumiu publicamente o papel de traidora-mor!”, disparou Feliciano.