Pena de morte: EUA executa supremacista branco que matou uma criança e seus pais

Um homem chamado Daniel Lewis Lee foi condenado à pena de morte e teve a sua execução consumada nos Estados Unidos nesta terça-feira (14), após 17 anos sem que o país tivesse novas execuções dessa natureza.

Lee foi condenado pelo assassinato de uma criança e seus pais em 1996. Desde então ele cumpria pena em regime fechado numa penitenciária da localidade de Terre Haute, em Indiana, segundo informações do G1.

Na época do crime, a Justiça apontou que Lee cometeu os assassinatos durante um roubo, onde procurava recursos para financiar a “república dos povos arianos”, um grupo que pregava a supremacia branca na época.

Lee foi executado através de uma injeção letal. Apesar da pena de morte ser possível nos Estados Unidos, nenhum indivíduo havia sido morto nos últimos 17 anos.

A retomada das execuções, aparentemente, foi possível após governo do presidente Donald Trump anunciar em julho de 2019 que a administração federal voltaria a aplicar a pena capital, encerrando uma moratória que estava em vigor desde 2003.