E se Luiz Caldas lançasse a música “Nega do Cabelo Duro” atualmente, seria racista?

A discussão sobre o que é ou não racismo foi parar, mais uma vez, no BBB exibido pela Globo. Não endossamos ou promovemos qualquer assunto relativo ao BBB, pois acreditamos que se trata de um programa inútil em termos de conteúdo.

Todavia, é inevitável deixar de tomar conhecimento através das manchetes das mídias de algumas coisas que acontecem lá dentro, e uma delas envolve a questão de um suposto ato de racismo por parte de um dos participantes, após fazer piada com o cabelo de outro membro do grupo.

Um dos nossos leitores enviou um comentário a respeito do assunto, o que nos motivou a publicar esse texto. Ele, que é negro, disse exatamente isso: “Sou preto, mas vejo muito vitimismo… muito nutelismo. Tá chato já. Ninguém pode brincar mais que é b.o”.

É o que parece ter acontecido no BBB, mais uma vez. Sem dúvida o vitimismo racial é uma realidade, o que só prejudica o próprio combate ao racismo. Transformar tudo em discriminação racial deprecia a legitimidade de quem realmente sofre preconceito em decorrência da cor de pele.

Nos tempos atuais, músicas como “Nega do Cabelo Duro”, do magnífico cantor e compositor Luiz Caldas, seriam expurgadas da mídia se fossem lançadas agora, mesmo sem qualquer referência discriminatória, tudo pelo simples fato de mencionar “nega do cabelo duro”, provavelmente. Assista abaixo o clipe da música: