Alienígena?

Não é piada: ex-transgênero se arrepende de mudança e agora diz que é alienígena

"Eu sei que estou preso em uma forma humana", declara Jareth Nebula, a ex-transgênero que agora se vê como alienígena

23/10/2019 19h20
Por: Opinião Crítica
Fonte: Activist Mommy
"Eu sei que estou preso em uma forma humana", declara Jareth Nebula. Reprodução: Google

Um dos maiores perigos da obsessão dos ativistas LGBTs em tratar uma doença mental, a disforia de gênero, como uma "identidade", é que aqueles que sofrem dessa condição são incentivados a viver suas ilusões em vez de procurar ajuda real. 

Infelizmente, muitos dos que procuram “transição” para lidar com a disforia acabam insatisfeitos, pois a causa raiz de suas lutas mentais não é, de fato, abordada. 

Enquanto alguns decidiram reverter o curso e voltar ao sexo de nascimento, outros vão ainda mais longe em sua busca para encontrar algum tipo de satisfação, a fim de se encontrar no mundo.

É o caso de Jareth Nebula, 33 anos, que nasceu mulher e fez a "transição de gênero" para se parecer um homem aos 29 anos. Agora, no entanto, ela se identifica como uma alienígena alegando que acredita "pertencer a outro planeta". 

O jornal britânico The Mirror relata:

"O homem de 33 anos, que nasceu mulher, mas que fez a transição para se tornar homem aos 29 anos, agora acredita que não se encaixa em nenhum gênero humano e é, de fato, um alienígena.

O recepcionista da barbearia até removeu os mamilos e raspa as sobrancelhas para 'fazê-lo se sentir menos humano'.

Jareth, que se autodenomina como o personagem de David Bowie em Labrynth e Nebula como uma nuvem espacial, já tem 78 estrelas em seu corpo e espera aumentar para 333, porque 'três sempre foi o meu número da sorte'.

Morando sozinho, agora ele só quer que as pessoas aceitem quem ele é e admite que seria preferível ser chamado de 'coisa' ou 'coisa' do que ele ou ela.

Jareth, que mudou seu nome legalmente há quatro anos, disse: 'Depois de me tornar trans e acreditar que finalmente me encontrara, percebi que estava errado - não era homem nem mulher, nem mesmo humano'".

Ela percebeu que estava errada depois de fazer a transição para ser um "homem", mas em vez de reverter o curso e voltar ao sexo de nascimento, ela continuou seu caminho de autodestruição.

“Eu não penso nem me sinto humano. Eu realmente não posso explicar isso para os outros - eu sou simplesmente de outro mundo ”, disse ela ao The Mirror.

“Eu não me sentia confortável com meu gênero ou mesmo com algo intermediário. Eu sei que estou preso em uma forma humana e é assim que sou percebido pelos outros - mas para mim, sou um alienígena sem gênero".

Quando Jareth tomou a decisão de “fazer a transição”, ela começou a tomar injeções de testosterona e mutilou o corpo removendo os seios. Isso não fez nada para resolver sua disforia de gênero, é claro, e então ela começou a "fazer mais pesquisas sobre identificação alternativa de gênero", observa Mirror. 

"Eu pensei que ser um homem trans resolveria todos os meus problemas e batalhas internas ao descobrir quem eu era, mas não estava tão feliz quanto esperava", disse ela. “Eu senti como se estivesse tentando me encaixar na caixa de outra pessoa. Eu não queria ser constrangido - foi quando descobri o que era sem gênero.

"Eu sempre fui obcecado por alienígenas também e o que significa ser extraterrestre, então a ideia de ser um alienígena sem gênero se encaixa perfeitamente como uma identidade para mim", completa Jareth.

Se Jareth tivesse procurado cuidados de saúde mental adequados, em vez de tratamentos hormonais e cirurgia plástica irreversível, talvez estivesse vivendo uma vida saudável, fundamentada na verdade e na realidade. Agora, como uma "alienígena", ela toma medidas ainda maiores para abusar de seu corpo por causa da sua "identidade".

“Eu não tenho mamilos, pois os removi durante a minha cirurgia trans. Raspo minhas sobrancelhas e tenho piercings nos lábios, septo e nariz", explicou ela, repetindo a narrativa ideológica do ativismo LGBT que tem arrasado milhares de vidas ao redor do mundo, que é esta:

“Quem é alguém para dizer quem você pode ou não ser? Se alguém quiser se identificar como qualquer coisa, até mesmo um animal, deixe-o. Sinto muito pelas pessoas que me atacam online. Eu acho que eles não têm empatia e só querem me atingir, então eu lido muito bem com isso".

Ela conclui: "Estou feliz com quem sou e continuarei a me tornar mais alienígena todos os dias."

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas