Nobel da Paz

Ganhador do prêmio Nobel da Paz é cristão evangélico de igreja pentecostal

"Temos um país que é dotado de grande recompensa e riqueza, mas está faminto por amor", disse Abiy Ahmed

11/10/2019 20h31
Por: Opinião Crítica
Reprodução: Google
Reprodução: Google

Durante os dois anos desde quando tomou posse, o primeiro-ministro Abiy Ahmed ajudou a Etiópia conseguir o tipo de paz e reconciliação tão almejados, uma vez considerada impossível, incluindo a resolução de um conflito fronteiriço com o seu vizinho do Leste Africano Eritreia. Hoje, seus esforços lhe renderam o Prêmio Nobel da Paz de 2019 .

Embora alguns etíopes tenham questionado se o reconhecimento chegou cedo demais, o Comitê Nobel declarou: "...mesmo que ainda haja muito trabalho a ser feito, Abiy Ahmed iniciou reformas importantes que dão a muitos cidadãos esperança de uma vida melhor e de um futuro melhor".

Aos 43 anos, Ahmed é o líder mais jovem da África. Ele fez esforços rápidos e deliberados em prol da reforma quando assumiu o cargo em abril de 2018. Ahmed assinou um acordo de paz com o presidente Isaías Afwerki, da Eritreia, no ano passado, depois de décadas de impasse político e dois anos de violência que custaram 80.000 vidas ao longo da fronteira.

Os dois países se tornaram cada vez mais abertos um ao outro, com retomada de viagens aéreas e telecomunicações, informou o New York Times. O anúncio do prêmio elogiou sua liderança, dizendo:

"Ele passou seus primeiros 100 dias como primeiro-ministro, lidando com o estado de emergência do país, concedendo anistia a milhares de presos políticos, interrompendo a censura da mídia, legalizando grupos ilegais da oposição, demitindo líderes militares e civis suspeitos de corrupção e aumentando significativamente a influência de mulheres na vida política e comunitária da Etiópia. Ele também prometeu fortalecer a democracia, realizando eleições livres e justas".

Ahmed também ajudou a reconciliar dois ramos da Igreja Ortodoxa Etíope, que se dividiram por razões políticas em 1991. Os ortodoxos representam o maior grupo religioso do país (cerca de 40% da população, em comparação com 19% protestantes e 34% Muçulmano).

Ele promoveu a reconciliação entre muçulmanos e cristãos em Beshasha, sua cidade natal, enquanto membro do parlamento e imediatamente começou a se reunir com Abune Mathias, o Patriarca da Igreja Ortodoxa Etíope de Tewahedo como primeiro-ministro, oferecendo seu apoio para ajudar a acabar com o cisma.

As negociações estavam cautelosamente em andamento há anos, mas as percepções da oposição do governo silenciaram o esforço, informou o OPC News. Filho de pai muçulmano e mãe ortodoxa, Ahmed é um pentecostal protestante, ou "pentay", como muitos políticos etíopes.

Sua fé é vista como um fator determinante em sua busca pela paz. "Há algo do pregador revivalista na maneira como ele evangeliza por sua visão", observou a BBC News. "Ele tem a energia, a paixão e a certeza."

Segundo o Catholic Herald, as crenças pentecostais correspondem ao seu senso de esperança e ambição na política. "A característica sedutora do pentecostalismo é a ideia de que nada é impossível", disse Andrew DeCort, diretor do Instituto para o Cristianismo e o Bem Comum.

Ahmed, membro da Igreja dos Crentes do Evangelho Pleno, disse a seguidores depois de assumir o cargo: "Temos um país que é dotado de grande recompensa e riqueza, mas está faminto por amor".

Após o anúncio de hoje, o primeiro ministro twittou: “Estou humilhado com a decisão do Comitê Nobel da Noruega. Minha mais profunda gratidão a todos comprometidos que trabalham pela paz. Este prêmio é para a Etiópia e o continente africano. Vamos prosperar em paz!”.

Ahmed é o 24º ganhador do Prêmio Nobel da Paz da África; no ano passado, o prêmio foi em parte para Denis Mukwege, um médico cristão dedicado à cura de vítimas de estupro na República Democrática do Congo (RDC).

Com reportagem de Jayson Casper/Christian Today.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas