Luciano Huck

Jatinho de Luciano Huck foi 85% financiado com dinheiro público do BNDES

O financiamento milionário do BNDES de jatinhos particulares vai na contramão de um país que precisa investir nos pequenos produtores

20/08/2019 14h59
Por: Opinião Crítica
O financiamento milionário do BNDES de jatinhos particulares vai na contramão de um país que precisa investir nos pequenos produtores. Imagem: Jornal do País
O financiamento milionário do BNDES de jatinhos particulares vai na contramão de um país que precisa investir nos pequenos produtores. Imagem: Jornal do País

O empréstimo de R$ 17,7 milhões que o BNDES concedeu à empresa do apresentador Luciano Huck para comprar um jatinho foi 14 vezes maior que o capital social dela. A Brisair Serviços Técnicos Aeronáuticos, que tem sede no Rio de Janeiro, pertence a Huck e à sua mulher, a também apresentadora Angélica Ksyvickis. O BNDES financiou 85% da aeronave Embraer Phenom 300, cujo valor total foi de R$ 20.838.054,81.

Huck é cotado para concorrer à Presidência da República e deve decidir, nos próximos dias, se continua na televisão ou entra na disputa para o Palácio do Planalto. O empréstimo do BNDES vence em 2023.

Segundo dados da Junta Comercial do Rio de Janeiro, a Brisair Serviços Técnicos Aeronáuticos foi criada em 23 de julho de 2003 por Luciano Huck, Philip Eric Haegler e Mário Pederneiras de Faria Júnior. O nome da empresa na época era H2F Serviços Técnicos Aeronáuticos e tinha capital social de R$ 12 mil distribuídos entre os três sócios.

Segundo a última atualização na Junta Comercial, em 2010, a empresa pertencia somente a Huck e Angelica e o capital social já era de R$ 1,2 milhão – 5,7% do valor do jato adquirido três anos depois.

O portal R7 teve acesso à Cédula de Crédito Bancário (veja foto 1 da galeria abaixo) da transação do jatinho. O apresentador usou a linha de crédito BNDES Finame PSI – Programa de Financiamento de Máquinas e Equipamentos. O documento de 14 páginas, emitido pelo Itaú, detalha as condições do empréstimo do dinheiro público para a compra do jato executivo.

O BNDES aprovou o financiamento em 29 de maio de 2013 com taxa de 3% ao ano, carência de 6 meses para o início do pagamento e prazo de 114 meses para pagamento do empréstimo. A primeira prestação estava prevista para ser quitada em 15 de janeiro de 2014. A Brisair conseguiu o financiamento em 2013 com intermediação do Itaú. Huck é garoto-propaganda do banco.

A matrícula foi efetuada na Anac em 13 de agosto de 2013 na categoria Transporte Privado de Passageiros. O jato executivo tem capacidade de 8 lugares e está alienado para o banco até que a dívida seja quitada em junho de 2023. (R7).

Comentário:

Luciano Huck não foi o único beneficiado com financiamento de jatinhos particulares concedido pelo BNDES. Outras personalidades, como a cantora Cláudia Leite e a dupla sertaneja Victor & Leo estão na lista dos 134 proprietários de jatinhos financiados pelo banco.

A grande polêmica não é o financiamento por si só, que é legal, visto se tratar de um financiamento como qualquer outro. O problema é moral, já que se tratam de financiamentos milionários concedidos por um banco público que deveria ter como objetivo principal fornecer linha de crédito para o pequeno investidor.

Ou seja, a facilidade com que tais financiamentos astronômicos foram liberados sugere que houveram, também, "facilidades" na concessão do crédito, algo observado, por exemplo, na incompatibilidade do capital empresarial declarado com o montante financiado.

No caso de Luciano Huck, que se propõe a ser candidato à presidência no futuro, como diz o R7, esse tipo de transação, ainda que não necessariamente ilegal, é moralmente desconsertante, uma vez que transmite a impressão de aproveitamento da máquina pública em benefício próprio. Um péssimo indicativo.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas