“Mangueira foi punida por sua intransigência”, diz ex-mestre-sala da escola de samba

A escola de samba Mangueira quase foi rebaixada na última edição do carnaval no Rio de Janeiro, terminando em sexto lugar na apuração dos votos. Para William Braga, mais conhecido como “Lilico da Mangueira”, que já foi mestre-sala da escola no passado, a derrota da agremiação foi por causa da “sua intransigência”.

“Eu vejo que a Mangueira foi punida pela sua intransigência. Ela achou que estava mostrando algo que pudesse ser respaldado pela arte. Mas a crítica que ela recebeu foi muito volumosa, bem contrária ao que ela queria”, disse ele.

A Mangueira apresentou um enredo com o tema “A Verdade Vos Fará Livre”, onde apresentou a figura de um Jesus com “muitas faces”, mas em tom crítico aos líderes cristãos conservadores do país, que enxergaram o desfile como uma tentativa de manipular a imagem e ensinos de Cristo à luz da ideologia de esquerda.

“Tanto foi que os jurados deram suas notas baseados, talvez, em seus conceitos em enxergar o que a Palavra de Deus fala. Eu sei que todos que convivem nesse mundo conhecem um pouco das coisas da Palavra de Deus”, disse Lilico, que hoje é pastor evangélico.

“A Mangueira tentou mostrar algo que não é real, o irreal, como se fosse realidade. Jesus não é essa realidade. Jesus é totalmente diferente daquilo que a Mangueira tentou mostrar. Por isso que sofreu o dano de sua performance, que foi muito aquém do esperado”, completou, segundo o Pleno News.