Doença misteriosa que causa alucinações e atrofia atinge dezenas de pessoas no Canadá

Médicos canadenses temem estar lidando com uma doença cerebral até então desconhecida em meio a uma série de casos envolvendo perda de memória, alucinações e atrofia muscular.

Os políticos da província de New Brunswick exigiram respostas, mas com tão poucos casos, os especialistas dizem que há muito mais perguntas do que respostas e pediram ao público que não entre em pânico.

Por mais de um ano, as autoridades de saúde pública rastrearam uma rede de 43 casos de suspeita de doença neurológica na província sem causa conhecida.

Os residentes souberam da investigação na semana passada, depois que um memorando vazado da agência de saúde pública da província pediu aos médicos para ficarem atentos a sintomas semelhantes à doença de Creutzfeldt-Jakob – uma doença cerebral rara e fatal causada por proteínas deformadas conhecidas como príons.

“Estamos colaborando com diferentes grupos e especialistas nacionais; no entanto, nenhuma causa clara foi identificada neste momento”, disse o memorando.

Vários sintomas, incluindo perda de memória, problemas de visão e movimentos bruscos anormais, acionaram um alerta da rede de vigilância CJD do Canadá. Apesar das semelhanças iniciais, a triagem não produziu nenhum caso confirmado de CJD.

“Não temos evidências que sugiram que é uma doença de príon”, disse o Dr. Alier Marrero, o neurologista que liderou a investigação de New Brunswick.

Agora, uma equipe de pesquisadores, incluindo cientistas federais, está correndo para determinar se eles estão lidando com uma síndrome neurológica até então desconhecida, ou uma série de doenças não relacionadas, mas previamente conhecidas – e até tratáveis.

Marrero diz que os pacientes inicialmente reclamaram de dores inexplicáveis, espasmos e mudanças de comportamento – todos sintomas que poderiam ser facilmente diagnosticados como ansiedade ou depressão.

Mas, ao longo de 18 a 36 meses, eles começaram a desenvolver declínio cognitivo, perda de massa muscular, salivação e batimento dos dentes. Vários pacientes também começaram a ter alucinações assustadoras, incluindo a sensação de insetos rastejando em sua pele.

Para que um novo caso seja incluído no “cluster” de New Brunswick, Marrero e sua equipe conduzem um extenso estudo da história do paciente, bem como uma bateria de testes incluindo imagens cerebrais, testes metabólicos e toxicológicos e punção lombar, para descartar outras doenças possíveis, como demência, doenças neurodegenerativas, doenças auto-imunes e possíveis infecções.

Apenas um único caso suspeito foi registrado em 2015, mas em 2019 havia 11 casos e 24 em 2020. Os pesquisadores acreditam que cinco pessoas morreram da doença.

“Não vimos nos últimos 20 anos um grupo de doenças neurológicas resistentes ao diagnóstico como esta”, disse Michael Coulthart, chefe da rede de vigilância CJD do Canadá.

A maioria dos casos está ligada à península Acádia, uma região pouco povoada na parte nordeste da província. O número geral de casos no cluster permanece baixo, mas New Brunswick tem uma população de menos de 800.000 pessoas.

Autoridades de saúde se recusaram a revelar os locais precisos dos casos. Marrero e sua equipe consultaram especialistas em neurologia, saúde ambiental, epidemiologia de campo, zoonoses e toxicologia para entender melhor o que poderia estar causando a misteriosa doença.

Uma equipe crescente de pesquisadores está trabalhando para determinar se há uma ligação comum entre os casos ou quaisquer causas ambientais, incluindo fontes de água, plantas e insetos.

“Não sabemos o que está causando isso”, disse Marrero. “No momento, só temos mais pacientes parecendo ter essa síndrome.” Notícias da doença desconhecida causaram preocupação, mas os especialistas alertaram contra tirar conclusões prematuras.

“Eu realmente não sei se nós temos uma síndrome definida. Simplesmente não há informações suficientes ainda”, disse Valerie Sim, pesquisadora de doenças neurodegenerativas da Universidade de Alberta.

Ela observou que os principais marcadores para doenças neurológicas degenerativas não foram documentados e que a ampla gama de sintomas no grupo era “atípica” para a maioria das doenças cerebrais. Ao mesmo tempo, certos tipos de câncer, demência ou mesmo diagnósticos errados podem explicar a extensão dos sintomas, disse ela.

A saga também expõe a realidade frustrante da medicina: diagnosticar um paciente pode ser difícil e é uma tarefa repleta de incógnitas. Os neurologistas muitas vezes podem implantar uma série de ferramentas no tratamento de um paciente quando a causa raiz de uma doença não é clara, “e então o paciente de alguma forma se recupera. Você sai sem saber o que eles realmente tinham”, disse Sim.

“Vemos síndromes neurológicas estranhas de vez em quando. Às vezes, nós os descobrimos. Às vezes, não.” Fonte: The Guardian