Cientistas descobrem antiparasitário capaz de matar o coronavírus em 48 horas

Um estudo colaborativo liderado pelo Monash Biomedicine Discovery Institute (BDI) com o Peter Doherty Institute of Infection and Immunity (Doherty Institute), uma joint venture da Universidade de Melbourne e do Royal Melbourne Hospital, mostrou que um medicamento antiparasitário que já está disponível em todo o mundo é capaz de matar o coronavírus em 48 horas.

A Dra. Kylie Wagstaff, do Instituto Monash Biomedicine Discovery, que liderou o estudo, disse que os cientistas mostraram que a droga, Ivermectin, bloqueou à ação do vírus da SARS-CoV-2 nas células em um prazo de 48 horas.

“Descobrimos que mesmo uma dose única poderia remover essencialmente todo o RNA viral por 48 horas e que mesmo dentro de 24 horas havia uma redução realmente significativa”, disse a Dra. Wagstaff.

A ivermectina é um medicamento antiparasitário aprovado pela FDA que também demonstrou ser eficaz in vitro contra uma ampla gama de vírus, incluindo vírus HIV, Dengue, Influenza e Zika. 

A Dra. Wagstaff alertou, no entanto, que os testes conduzidos no estudo foram in vitro e que agora precisam ser realizados em seres humanos.

“A ivermectina é amplamente utilizada e vista como uma droga segura. Precisamos descobrir agora se a dose em que você pode usá-la em humanos será eficaz – esse é o próximo passo”, disse a Dra. Wagstaff.

“Nos momentos em que estamos tendo uma pandemia global e não há um tratamento aprovado, se tivéssemos um composto que já está disponível em todo o mundo, isso poderia ajudar as pessoas de forma mais rápida. Realisticamente, levará um tempo até que uma vacina esteja amplamente disponível”, completou a pesquisadora.

Embora o mecanismo pelo qual a ivermectina trabalhe no vírus não seja conhecido, é provável que, com base em sua ação em outros vírus, ele trabalhe para impedir que o vírus “diminua” a capacidade das células hospedeiras de eliminá-lo, disse Wagstaff.

O Dr. Leon Caly, do Royal Melbourne Hospital, cientista médico sênior do Laboratório de Referência de Doenças Infecciosas Vitorianas (VIDRL) ​​do Doherty Institute, onde foram realizadas as experiências com o coronavírus vivo, é o primeiro autor do estudo.

“Como o virologista que fez parte da equipe que foi o primeiro a isolar e compartilhar o SARS-COV2 fora da China em janeiro de 2020, estou entusiasmado com a perspectiva de a ivermectina ser usada como uma droga potencial contra o COVID-19”, disse Caly.

A Dra. Wagstaff fez uma descoberta anterior sobre a ivermectina em 2012, quando identificou a droga e sua atividade antiviral com o professor David Jans do Instituto de Descoberta da Biomedicina Monash., também um autor neste artigo. O professor Jans e sua equipe pesquisam a ivermectina há mais de 10 anos com vírus diferentes.

A Dra. Wagstaff e o professor Jans começaram a investigar se a droga funcionava no vírus SARS-CoV-2 assim que souberam que a pandemia havia começado na China.

O uso da ivermectina no combate ao COVID-19 dependerá agora dos resultados de mais testes pré-clínicos e, finalmente, de ensaios clínicos em seres humanos, com o financiamento urgentemente necessário para continuar progredindo o trabalho, disse a Dra. Wagstaff.

Para ter acesso ao estudo completo publicado na Science Direct clique aqui.