“Paulo Freire e kit gay não têm vez no MEC”, diz ministro da Educação

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a criticar conteúdos relacionados ao educador Paulo Freire esta semana, assim como a tentativa de incluir materiais que promovam o movimento LGBT nas salas de aula, afirmando que o “kit gay não têm vez no MEC”.

“Paulo Freire e kit gay não têm vez no MEC do [email protected] Vejam uma amostra do formato/conteúdo do material que o professor @CarlosNadalim preparou para as crianças”, escreveu o ministro em sua rede social.

Carlos Nadalim é mestre em educação e ficou bastante conhecido na internet através do blog “Como Educar seus Filhos”, onde orienta os pais acerca da educação e alfabetização infantil. Ele também é coordenador pedagógico na escola Mundo do Balão Mágico, em Londrina, cidade onde mora.

Atualmente Nadalim é o novo secretário de Alfabetização do Ministério da Educação (MEC) e tem como uma das suas características a visão crítica contra o método Paulo Freire de educação, o qual fundamentado em perspectivas marxistas.

“Há poucos cursos de magistério no país, por exemplo, que é onde se aprende o procedimento técnico para o ensino. Paulo Freire chama isso de tecnicismo e diz que ele desvincula o educando de seu contexto”, afirmou o educador em seu site, segundo o El Pais.

“Ele faz uma defesa ideológica do fim da alfabetização, porque ele quer que a criança tome consciência de classe. Para ele você precisa ensinar a criança a linguagem porque ela é dominada pela classe dominante que impõe seu discurso. Mas a alfabetização não é isso. Alfabetização é uma técnica para ela decodificar e reconhecer palavras”, destaca.

Na mesma publicação em que criticou o “kit gay” e Paulo Freire, Weintraub demonstrou entusiasmo com o trabalho do educador. “Querem saber mais? Sigam o prof. @CarlosNadalim, o novo rosto (e o primeiro sorriso) do ensino no Brasil”, afirmou o ministro.

Leia também: “Governo rompe paradigma e retira o nome de Paulo Freire de plataforma do MEC