Comunismo: China já prendeu 370 manifestantes após nova “Lei de Segurança Nacional”

A polícia de Hong Kong prendeu cerca de 370 manifestantes ontem, apenas um dia após a implementação de uma nova lei de segurança nacional pela China. Dos 370, 10 foram acusados ​​de violar a nova lei.

Os manifestantes se reuniram para protestar contra a interferência do governo comunista da China nas liberdades de Hong Kong. A nova lei proíbe subversão, sedição, terrorismo e conluio com forças estrangeiras. Também posiciona Pequim à frente do sistema jurídico de Hong Kong nesses casos.

As prisões aumentaram o medo de que as autoridades usem a lei para prender e processar as pessoas que lutam por seus direitos.

Na China continental, as taxas de segurança nacional são geralmente usadas para atingir pessoas religiosas e ativistas de direitos. Ambos são dados demográficos que receberam relativamente mais proteção sob as leis anteriores de Hong Kong.

Além disso, a China agora pode enviar as pessoas acusadas de crimes de segurança nacional para o continente para julgamento, onde enfrentarão uma audiência sem júri e receberão o veredicto de um juiz com lealdade ao governo.

Isso foi proposto no ano passado pela diretora-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, mas provocou tanto tumulto que Lam foi forçado a suspender o projeto.

Agora a Lei está de volta, mas com graves consequências: os acusados ​​de violar a segurança nacional podem enfrentar a vida na prisão. Com: ChinaAid