China encontra vírus em porcos com potencial de causar nova pandemia

Uma descoberta anunciada originalmente pela rede BBC, de que os porcos chineses estão cada vez mais infectados com um novo tipo de influenza [gripe] com potencial de transmissão para os seres humanos, fez com que pesquisadores de doenças infecciosas do mundo inteiro entrassem em estado de alerta.

Robert Webster, um investigador de influenza que se aposentou recentemente do Hospital de Pesquisa Infantil St. Jude, disse que é um “jogo de adivinhação” saber se essa variação de gripe sofrerá mutação para transmitir facilmente entre humanos, o que ainda não ocorreu.

“Nós simplesmente não sabemos se uma pandemia ocorrerá até que a maldita coisa ocorra”, disse Webster, observando que a China tem a maior população suína do mundo. “Vai acontecer isso? Só Deus sabe.”

Quando várias cepas [variações] de vírus influenza infectam o mesmo porco, elas podem facilmente trocar genes, um processo conhecido como “rearranjo”.

O novo estudo, publicado hoje na revista Proceedings da Academia Nacional de Ciências, enfoca um vírus influenza chamado G4, ou G4 EA H1N1.

O vírus é uma mistura única de três linhagens: uma semelhante às linhagens encontradas em aves europeias e asiáticas, a cepa H1N1 que causou a pandemia de 2009 e uma norte-americana H1N1, que possui genes de vírus influenza aviário, humano e suíno.

A variante G4 é especialmente preocupante porque seu núcleo é um vírus da gripe aviária – ao qual os humanos não têm imunidade – com pedaços de cepas de mamíferos misturados.

“A partir dos dados apresentados, parece que este é um vírus da gripe suína que está prestes a emergir em humanos”, diz Edward Holmes, um biólogo evolucionário da Universidade de Sydney que estuda patógenos. “Claramente, essa situação precisa ser monitorada com muita atenção.”

Mobilização de pesquisadores

Como parte de um projeto para identificar possíveis cepas de influenza pandêmica, uma equipe liderada por Liu Jinhua, da Universidade Agrícola da China (CAU), analisou cerca de 30.000 zaragatoas nasais retiradas de porcos em matadouros em 10 províncias chinesas e outras mil zaragatoas de porcos com sintomas respiratórios.

Os swabs, coletados entre 2011 e 2018, produziram 179 vírus da gripe suína, a grande maioria dos quais eram G4 ou uma das cinco outras linhagens G da linhagem aviária eurasiana.

“O vírus G4 mostrou um aumento acentuado desde 2016 e é o genótipo predominante na circulação em porcos detectados em pelo menos 10 províncias”, escreveram eles.

Sun Honglei, o primeiro autor do artigo, diz que a inclusão de genes do G4 da pandemia H1N1 de 2009 “pode ​​promover a adaptação do vírus” que leva à transmissão de humano para humano. Portanto, “é necessário fortalecer a vigilância” de porcos chineses para vírus influenza, diz Sun.

Os vírus da gripe frequentemente passam de porcos para humanos, mas a maioria não transmite entre humanos. Dois casos de infecções G4 em humanos foram documentados e ambos eram infecções sem saída que não foram transmitidas a outras pessoas.

“A probabilidade de que essa variante em particular cause uma pandemia é baixa”, diz Martha Nelson, bióloga evolucionária do Fogarty International Center dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, que estuda os vírus da gripe suína nos Estados Unidos e sua disseminação para seres humanos.

Mas Nelson observa que ninguém sabia da pandemia de H1N1, que saltou de porcos para pessoas, até os primeiros casos humanos surgirem em 2009. “A gripe pode nos surpreender”, diz Nelson. “E há o risco de negligenciarmos a gripe e outras ameaças no momento” do COVID-19.

O novo estudo oferece apenas um pequeno vislumbre das cepas de influenza suína na China, que tem 500 milhões de porcos. Enquanto Nelson acha que a predominância do G4 em suas análises é uma descoberta interessante, ela diz que é difícil saber se a propagação é um problema crescente, dado o tamanho da amostra relativamente pequena.

“Você realmente não está tendo uma boa visão do que é dominante em porcos na China”, acrescenta ela, enfatizando a necessidade de mais amostragens em porcos chineses.

No artigo, Sun e seus colegas – incluindo George Gao, chefe do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças – descreveram estudos de laboratório que mostraram como os G4s se tornaram especialistas em infectar e se copiar nas células epiteliais das vias aéreas humanas.

Além de intensificar a vigilância, Sun diz que faz sentido desenvolver uma vacina contra o G4 para porcos e seres humanos. Webster diz que, no mínimo, o estoque de sementes para fabricar uma vacina humana – variantes de uma cepa que cresce rapidamente nos ovos usados ​​para fabricar uma vacina contra a gripe – deve ser produzido agora.

“Fazer o estoque de sementes não é grande coisa, e devemos tê-lo pronto”, disse Webster.

A China raramente usa vacinas contra influenza em suínos. Nelson diz que fazendas americanas costumam ter, mas a vacina tem pouco efeito, porque geralmente está desatualizada e não corresponde às cepas circulantes.

Idealmente, diz Nelson, produziríamos uma vacina G4 humana e a teríamos no estoque, mas esse é um grande processo que requer um financiamento substancial.

“Precisamos estar atentos a outras ameaças de doenças infecciosas, mesmo quando o COVID está circulando, porque os vírus não têm interesse em saber se já estamos tendo outra pandemia”, conclui Nelson. Com: Science Mag.