Moro entra para grupo que serve à Odebrecht, condenada por ele mesmo: “Tiro no saco”

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, anunciou nesta segunda-feira que entrou como sócio-diretor da consultoria norte-americana Alvarez & Marsal, o que despertou a crítica não apenas de opositores, mas até de aliados, como o senador Major Olímpio (PSL-SP).

Isso porque a Alvarez & Marsal atua como administradora judicial do Grupo Odebrecht, empreiteira que foi condenada pelo próprio Moro por mais de uma vez no âmbito da Lava- Jato, quando ele atuava como juiz de 1ª Instância em Curitiba.

Para o senador Major Olimpio, que desde a saída do ex-ministro do governo Bolsonaro vem defendendo e apoiando o ex-juiz, Moro tomou uma decisão errada ao entrar para essa empresa. “Não conheço os termos, mas acho que ele deu um tiro no próprio saco e não no pé”, afirmou.

“As sequelas são piores”, disse o parlamentar ao site UOL. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também aproveitou para alfinetar o ex-ministro, usando de ironia após ser questionado sobre uma possível candidatura de Moro em 2022.

“Agora o Moro é consultor de uma empresa que inclusive, pelo que vi no jornal, presta serviço para a Odebrecht. Acho que ele já está encaminhado no setor privado”, afirmou, segundo o Correio Braziliense.

Até o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) já anunciou que deverá notificar o ex-ministro para que ele esclareça melhor a natureza do seu novo trabalho. Pelo visto, desde que saiu do governo Bolsonaro Moro ainda não se encontrou. Veja também:

Moro escancara jogo político ao aceitar falar sobre impeachment de Bolsonaro na OAB