Parler processa à Amazon por quebra de contrato após suspensão de hospedagem

A plataforma de mídia social Parler entrou com um processo contra a Amazon nesta segunda-feira após a decisão da Amazon Web Services de suspender a rede social de seu serviço de hospedagem, após o tumulto mortal da semana passada no Capitólio dos EUA.

Parler alega que a Amazon está violando a Lei Antitruste Sherman ao suspender a sua hospedagem. A lei trata, entre outros, do não favorecimento de concorrentes. Neste caso, a mídia social acusa a empresa de tentar favorecer o Twitter.

“A decisão da AWS de encerrar efetivamente a conta da Parler é aparentemente motivada por animosidade política”, afirma Parler em seu processo. “A AWS está violando a Seção 1 da Lei Antitruste Sherman em combinação com o Twitter.”

“A AWS também está violando seu contrato com Parler, o que exige que a AWS forneça a Parler um aviso de trinta dias antes de encerrar o serviço, em vez de um aviso prévio de menos de trinta horas que a AWS realmente forneceu. Finalmente, a AWS está cometendo interferência intencional com vantagem econômica em potencial, dados os milhões de usuários que se espera que se inscrevam em um futuro próximo”, destaca o texto.

Parler afirma que está sendo discriminado porque está em competição direta com o gigante das redes sociais Twitter.

“No mês passado, o réu Amazon Web Services, Inc. (AWS) e a popular plataforma de mídia social Twitter assinaram um contrato de vários anos para que a AWS pudesse oferecer suporte à entrega diária de milhões de tweets. A AWS atualmente fornece esse mesmo serviço para Parler, uma alternativa conservadora de microblogging e concorrente do Twitter”, diz o documento.

“Quando o Twitter anunciou duas noites atrás que estava banindo permanentemente o presidente Trump de sua plataforma, os usuários conservadores começaram a fugir do Twitter em massa para Parler. O êxodo foi tão grande que no dia seguinte, ontem, Parler se tornou o aplicativo gratuito número um baixado no App Store da Apple. ”

Durante uma entrevista no programa “Mornings with Maria” nesta segunda-feira, o CEO John Matze, fundador da Parler, disse aos usuários que esperem o retorno da rede social.

“Ninguém apresentou qualquer informação ou evidência confiável de que, você sabe, há qualquer problema em Parler que não exista em outras plataformas”, disse Matze. “Este é realmente um padrão duplo….

Vemos todos os tipos de conteúdo ameaçador no Twitter, muito mais na verdade, em nossa opinião, e, na verdade, muito conteúdo que foi excluído de Parler ainda permanece no Twitter até agora na forma de capturas de tela. Então, eu não entendo, você sabe, do que se trata realmente. Porque não se trata de responsabilizar todos igualmente. É sobre dar tratamento preferencial a certas pessoas.” Com: Fox News.

Conheça “Parler”: a rede social promovida por Trump e preferida dos conservadores