“Uma ficção”, diz ex-transgênero que se arrependeu de fazer “transição sexual”

Uma mentira contada mil vezes não se torna verdade, mas pode se parecer com ela. Assim pode ser definida a chamada “ideologia de gênero”, a qual fez com que o americano James Shupe se tornasse a primeira pessoa “não binária” da América, em 2016.

James pensou primeiramente que era uma “mulher”, até achar em seguida que não era “binário” (nem masculino, nem feminino). Felizmente, com o passar do tempo, o ex-soldado do Exército Americano percebeu que a experiência de modificar o seu corpo não mudaria a realidade dos conflitos emocionais que o cercavam.

Em 2019 James resolveu voltar atrás, reconhecer a sua verdadeira natureza sexual e falar da sua experiência. “A farsa de não ser homem, a ficção jurídica, acabou”, disse Shupe em entrevista à PJ Media.

“As mentiras por trás de minhas mudanças sexuais fictícias, algo em que eu vergonhosamente participei, primeiro para ser ‘mulher’ e depois ‘não-binário’, foram expostas para sempre. Um relato verdadeiro dos fatos substituiu o engano que permitiu me tornar a primeira pessoa legalmente não-binária da América”, completou.

James contou que por causa do tratamento hormonal que fez para se tornar “mulher”, também chamado de “transição de gênero”, teve inúmeras consequências em decorrência dos efeitos colaterais dos medicamentos.

“Tinha coágulos nos olhos porque meus níveis de estrogênio eram 2.585 em vez de 200, baixa densidade óssea, problemas no controle da bexiga e instabilidade emocional. Os exames de sangue indicaram que eu estava entrando no território da doença renal (EFGR abaixo de 60) (…), tive problemas dermatológicos crônicos e reações cutâneas a adesivos de estrogênio, desmaiei no chão da cozinha com espironolactona”, revelou.

Hoje a preocupação de James é alertar a sociedade sobre os riscos e mentiras do ativismo ideológico de gênero. “Eu sou e sempre fui homem. Essa é a minha verdade biológica, a única coisa capaz de me ater à realidade”, disse o ex-transgênero na entrevista.

Para às pessoas que pensam em fazer a “transição de gênero” ou estão confusas com o próprio sexo biológico, James dá um conselho valioso, embora rechaçado pela comunidade de ativistas LGBTs.

“Entendo que você esteja relutante em seguir os conselhos das pessoas mais velhas e prefere testar as coisas sozinho(a), mas não pode evitar esse dano. Você só tem um corpo. Você só tem um sistema reprodutivo. Por favor, não estrague isso perseguindo a fantasia de que você é algo diferente de seu sexo biológico”, alerta.