Jornal de Psiquiatria admite erro: benefício da “mudança de sexo” requer evidências

O American Journal of Psychiatry (Jornal Americano de Psiquiatria) admitiu que errou ao analisar os números em um grande estudo de pacientes transexuais submetidos à cirurgia de redesignação de sexo, conhecida popularmente como “mudança de sexo”.

No outono passado, o jornal publicou os resultados do estudo alegando que às cirurgias teriam melhorado a saúde mental dos pacientes. Mas, na semana passada, o jornal retificou suas descobertas, dizendo que uma segunda olhada no assunto não encontrou melhoras, carecendo de evidências (aqui e aqui).

Quando questionado sobre como foi possível um jornal de grande prestígio ter analisado incorretamente seus dados, o Dr. Ryan Anderson, principal pesquisador da William E. Simon da Heritage Foundation em Princípios Americanos e Políticas Públicas, disse à rede CBN News que o resultado da pesquisa pode ter sido influenciado.

“O erro humano é uma possibilidade aqui”, disse Anderson. “Mas também existe a possibilidade de que houvesse um resultado preferido para o estudo. De modo que eles queriam que o estudo dissesse uma certa coisa. Obviamente, não sabemos neste caso específico se isso foi apenas um erro honesto ou se foi pesquisa motivada, raciocínio motivado para levar a uma determinada conclusão.”

“Mas podemos dizer que a mídia não noticiou uma das principais descobertas do estudo original, que foi que a transição hormonal não mostrou sinais de melhora”, acrescentou. “Eles relataram apenas no estudo original que disse que a transição da cirurgia mostrou sinais de melhora. E agora essa afirmação foi retirada.

Anderson, que é autor de Quando Harry se tornou Sally: Respondendo ao Movimento Transgênero, disse que o estudo original foi celebrado pela mídia e foi então usado nas redes sociais contra qualquer pessoa com um ponto de vista divergente para acusá-la de ser contra a ciência.

Isso “mostra que o momento cultural em que vivemos sugere que só há uma conclusão permitida para essa questão”, disse ele. “E a única conclusão permitida é que a transição é a melhor solução. O maior conjunto de dados agora mostra que não há benefícios psicológicos para os pacientes da transição hormonal e cirúrgica.” 

Quando questionado se aqueles que lutam contra a disforia de gênero deveriam pensar duas vezes antes da cirurgia, Anderson disse à CBN News que as pessoas que estão lutando com sua própria identidade de gênero merecem saber a verdade. 

“O que a ciência está mostrando é que a transição hormonal-cirúrgica não fornece a plenitude e a felicidade prometidas pelos pacientes”, observou ele. “Portanto, o que precisamos fazer é encontrar maneiras de ajudar os pacientes a se sentirem confortáveis ​​em seus próprios corpos.”

“Precisamos ser respeitosos. Precisamos ser compassivos. Também precisamos ser verdadeiros. E, portanto, precisamos ajudar os pacientes que se sentem desconfortáveis ​​em seus corpos por se sentirem confortáveis ​​em seus corpos novamente. Mas não por transformar radicalmente seus corpos, porque isso não traz a plenitude e a felicidade duradouras que eles buscam.”

Anderson também mencionou que não viu nenhuma cobertura da mídia sobre a correção do Jornal de Psiquiatria, mas acha que o mais importante a se focar no momento são as crianças. 

“No momento, os pais estão sendo informados de que precisam dar aos filhos medicamentos bloqueadores da puberdade, hormônios Cross X, etc, etc”, disse ele. “Esse é um protocolo de tratamento experimental totalmente não estudado.”

“E acho que, em particular, precisamos de mais pesquisas sobre o que podemos fazer pelos jovens, crianças que se sentem desconfortáveis ​​em seus próprios corpos e como podemos ajudá-las a se sentirem confortáveis ​​novamente. Mas nós não deveríamos correr para prescrever drogas que bloqueiam a puberdade e hormônios Cross X. Os pais também devem saber os fatos sobre isso”, conclui. Com: CBN News. Veja a entrevista (em inglês) abaixo: