“Nunca vi um presidente tão perseguido pela imprensa como Bolsonaro”, diz Nunes

O jornalista Augusto Nunes, um dos poucos profissionais que ainda buscam preservar a independência de opinião e informação no Brasil, participou recentemente de uma live no canal Na Lata com Antonia Fontenelle, no Youtube, onde fez uma série de comentários sobre o momento político do país.

Para Nunes, a quantidade de pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, sem qualquer apontamento concreto de crimes de responsabilidade ou corrupção, demonstra que a oposição ainda não se conformou com a derrota eleitoral em 2018, e por isso apela para o meio judicial.

“A eleição presidencial não terminou em 2018, após Bolsonaro ser eleito. A oposição continua em campanha pelo terceiro turno, que não existe, como sabemos. No terceiro ano de governo, a pouco tempo de uma nova campanha, a oposição resolveu trocar a disputa nas urnas pelo impeachment […] Apresentam 50,60 pedidos de impeachment. Será que existem 50,60 alegações?, questionou o jornalista.

Nunes se demonstrou surpreso com o que chamou de “perseguição da imprensa” contra o presidente. “Nunca vi um presidente tão perseguido pela imprensa como o Bolsonaro. Nem Getúlio Vargas em seu pior momento”, disse ele. Veja também:

“A Folha hoje é um jornal em guerra”, diz Augusto Nunes ao criticar ativismo