“Não gostam da Cloroquina pois preferem a Queropropina”, diz deputada sobre oposição

A deputada federal Carla Zambelli continua defendendo a posição do governo Bolsonaro sobre a flexibilização da quarentena contra o coronavírus. Para isso, um dos recursos importantes é a utilização da cloroquina no tratamento dos infectados.

Todavia, uma oposição em relação ao uso da cloroquina parece não ser de caráter farmacológico, o que seria natural ante aos estudos em desenvolvimento, mas sim político-ideológico, tendo como finalidade promover uma situação de caos social que beneficiaria os críticos do governo.

Para Zambelli, “a COVID virou um grande negócio para a velha política, não gostam da Cloroquina pois preferem a Queropropina”, escreveu ela em sua rede social. Durante entrevista para a CNN Brasil, a parlamentar disse acreditar em uma mudança estratégica no governo.

“Eu acho que o presidente está começando a perceber que o Ministério da Saúde deveria estar mais preparado. Se fosse assim, os governadores não teriam tomado tanta frente e não teríamos crises como as que estão acontecendo, como o pedido de impeachment de João Doria [governador de São Paulo]”, disse ela.

Essa mudança teria como peça fundamental a demissão do ministro da Saúde, Henrique Mandetta. Zambelli criticou a entrevista do ministro do Fantástico, da rede Globo.”Quem foi eleito foi o presidente, quem tem a visão do todo é o presidente”, defendeu.

“O ministro não pode trazer toda atenção para ele. Ele [Mandetta] quer o quê? É briga de popularidade?”, indagou.