“Minha crescente popularidade importuna adversários”, diz Bolsonaro em desabafo

O presidente Jair Bolsonaro fez uma publicação na manhã desta terça-feira (29) em tom de desabafo, após a repercussão negativa no âmbito econômico do programa Renda Cidadã, anunciado por ele e sua equipe na segunda, dia 28.

Bolsonaro rebateu a ideia de que a sua intenção é populista, visando a reeleição em 2022, assim como fez críticas indiretas aos governadores que decretaram isolamento radical em seus estados durante a pandemia do novo coronavírus, prejudicando a economia do país. Veja a íntegra da publicação, abaixo:

“Ao longo da minha vida parlamentar nunca me preocupei com reeleição. Sempre exerci meu trabalho na convicção de que o voto era consequência dele.
– Minha crescente popularidade importuna adversários e grande parte da imprensa, que rotulam qualquer ação minha como eleitoreira. Se nada faço, sou omisso. Se faço, estou pensando em 2022.
– Na verdade, estou pensando é em 2021, pois temos milhões de brasileiros que perderam seus empregos ou rendas e deixarão de receber o auxílio emergencial a partir de janeiro/2021.
– A política do ‘fique em casa que a ‘economia a gente vê depois’ acabou e o ‘depois’ chegou. A imprensa, que tanto apoiou o ‘fique em casa’, agora não apresenta opções de como atender a esses milhões de desassistidos.
– Os responsáveis pela destruição de milhões de empregos agora se calam. O meu governo busca se antecipar aos graves problemas sociais que podem surgir em 2021, caso nada se faça para atender a essa massa que tudo, ou quase tudo, perdeu.
– A responsabilidade fiscal e o respeito ao teto são os trilhos da Economia. Estamos abertos a sugestões juntamente com os líderes partidários.
– O Auxílio Emergencial, infelizmente para os demagogos e comunistas, não pode ser para sempre”.