“Lixo dá pra ser reciclado, a Globo nem lixo é”, diz Bolsonaro em Brasília

Em dia de críticas contra o ministro do STF, Alexandre de Moraes, e o governador de São Paulo, João Doria, o presidente Jair Bolsonaro não deixou escapar a oportunidade de criticar também a rede Globo de televisão e seus veículos de imprensa.

“Essa empresa lixo chamada Globo, ou melhor lixo dá pra ser reciclado, a Globo nem lixo é que não pode ser reciclado”, afirmou o presidente ao responder o questionamento de jornalistas.

Na ocasião, Bolsonaro comentou sobre uma decisão da juíza Ana Lúcia Petri Betto, que estabeleceu um prazo de 48 horas para o governo apresentar o resultado dos exames para a detecção do novo coronavírus realizado pelo presidente no mês passado, o qual deu negativo, segundo o chefe do Executivo.

Grande parte da mídia, incluindo a rede Globo e seus veículos, noticiaram o fato de forma crítica contra o presidente, como se o mesmo tivesse a obrigação de divulgar uma informação que é, constitucionalmente, de caráter privado.

Bolsonaro explicou que à Advocacia Geral da União (AGU) recorreu da decisão, especialmente porque já havia enviado no dia 18 de março à Justiça de São Paulo um relatório médico sobre a saúde do presidente, apesar do mesmo não ser o laudo propriamente dito do teste feito pelo mesmo.

“A AGU apresenta, na manifestação, relatório médico emitido em 18 de março de 2020 pela Coordenação de Saúde da Presidência da República, no qual é atestado que o presidente da República é monitorado pela respectiva equipe médica, encontrando-se assintomático, tendo, inclusive, realizado exame para detecção da Covid-19, nos dias 12 e 17 de março”, disse a AGU.

“Se nós perdermos o recurso, daí vai ser apresentado”, completou Bolsonaro ao falar do resultado do exame. “E vou me sentir violentado. A lei vale para o presidente e para o mais humilde cidadão brasileiro.”