Decisão de Maia contra aliados de Bolsonaro pode tornar Joice líder do PSL na Câmara

Foi oficializada ontem – terça-feira (10) – pelo Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, a suspensão imposta pelo PSL das atividades partidárias de 14 deputados aliados ao presidente Jair Bolsonaro.

Segundo a deputada Carla Zambelli, uma das afetadas pela decisão, pelo entendimento de Rodrigo Maia a situação permite a troca do líder do PSL na Câmara, o que pode beneficiar a desafeto do governo, Joice Hasselmann.

O deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ), que também é alvo da suspensão imposta pelo seu partido, comentou a decisão de Rodrigo Maia.

“Na semana passada, o PSL votou pela suspensão de 14 deputados leais ao Presidente Bolsonaro. A decisão foi enviada para a Mesa Diretora e dependia ainda da decisão do Presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Hoje ele decidiu e estamos oficialmente suspensos das atividades do PSL”, escreveu o parlamentar em sua rede social.

A decisão que atualmente afeta os aliados de Bolsonaro é uma consequência da disputa pela liderança da legenda, ocorrida em meados de outubro, protagonizada pelos deputados Eduardo Bolsonaro (RJ) e Delegado Waldir (GO).

Na ocasião, Joice Hasselmann foi uma das deputadas do PSL que não apoiaram a confirmação de Eduardo Bolsonaro como líder da sigla, o que desagradou profundamente o governo. Vários “bolsonaristas” criticaram a reação dos deputados próximos do presidente do partido, Luciano Bivar, entre eles Carla Zambelli.

Carla Zambelli é processada pelo partido por tuítes em que defende a substituição de Waldir. O PSL afirma que as palavras de Zambelli ultrapassaram a linha que separa o debate político da violência moral.

Com a suspensão dos bolsonaristas imposta pelo PSL e oficializada por Rodrigo Maia, propostas do governo na Câmara podem ser prejudicadas, visto que eles ficam impedidos de atuar com plena liberdade política.

“Na prática, os deputados suspensos perderão funções de liderança do partido, não poderão orientar as bancadas em nome do partido e não poderão participar da escolha do líder partidário. Também é possível que percam cargos em comissões em que a indicação seja do partido”, afirmou Zambelli.