O governador de São Paulo, João Doria, falou sobre a reunião que ocorreu entre ele, demais governadores do país e o presidente Jair Bolsonaro, na manhã desta quinta-feira (21), através de videoconferência.

“O sentimento é de união para enfrentar a crise e salvar vidas. Eu falei na reunião: na guerra, todos perdem. Estou pessoalmente feliz por termos concluído o encontro em paz e harmonia, com o objetivo de proteger os brasileiros e melhorar o combate e o enfrentamento à crise”, disse ele.

“Agora não é hora de política e essa reunião foi uma demonstração de sabedoria, bom senso e equilíbrio de todos.” afirmou o governador. De forma semelhante, o senador Davi Alcolumbre também elogiou o encontro.

“Todos os poderes estão unidos, junto aos governadores e prefeitos. Deixemos os embates políticos de lado e vamos dar as mãos, pois em uma guerra, se não for assim, todos perdem, e seremos implacavelmente julgados por nossas atitudes”, declarou o senador.

Conciliação ou oportunismo?

O que parece um tom de conciliação e sensatez entre os governadores desafetos do presidente Jair Bolsonaro, como João Doria, e o presidente do Senado, Davi Alcolumpre, sugere na verdade que eles estão cedendo às pressões dos últimos dias com relação ao pedido de reabertura dos comércios no país.

Há semanas Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro vêm registrando o aumento de casos de protestos contra os políticos que defendem o isolamento radical da população, assim como o não uso da cloroquina no tratamento do coronavírus.

A reaproximação do presidente com os governadores é boa para o Planalto, mas principalmente para os governadores, uma vez que a imagem dos principais críticos do governo vinha se desgastando frente ao aumento da crise econômica e desemprego em seus estados.