Amigos se solidarizam com Karol Eller após agressão; PM diz: “Queria estar na hora”

A agressão sofrida por Karol Eller, uma youtuber e homossexual que se tornou amiga da família Bolsonaro, está gerando a manifestação de solidariedade de colegas e aliados do governo. Ela e a sua namorada foram vítimas de um ataque quando estavam na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, no último domingo (15).

“Minha amada @Karolellerofic1 foi atacada por conta de sua escolha sexual. O monstro deliberadamente lesionou o seu rosto e a namorada dela. Queria muito estar na hora, valentões assim merecem o artigo 25 do CP. Estou contigo, meu amor. Conte comigo”, escreveu o PM e também youtuber Gabriel Monteiro.

Conforme noticiado pelo Opinião Crítica mais cedo, Karol Eller foi covardemente agredida por um homem ainda não identificado, com socos e chutes. O seu rosto ficou com vários hematomas (veja aqui).

Quem também se manifestou foi o deputado federal Carlos Jordy. “Gostaria de me solidarizar com minha amiga Karol Eller @Karolellerofic1, que foi brutalmente espancada por um covarde que não se pode chamar de homem”, disse o parlamentar em sua rede social.

“Karol é incapaz de agredir qualquer pessoa, seja fisicamente, verbalmente ou através de seu comportamento. Melhoras, minha amiga!”, completou.

Karol Eller e Bolsonaro

A youtuber Karol Eller ficou conhecida nacionalmente após declarar o seu apoio ao então candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro. Por ser homossexual, rapidamente ela chamou atenção da comunidade LGBT, que logo tratou de querer desqualificar a sua opinião.

Em abril desse ano, ela também foi vítima de outra agressão, dessa vez por motivos políticos, aparentemente, durante uma manifestação de rua. O caso de Karol chama atenção para a forma como homossexuais de direita são destratados pelo ativismo LGBT, se tornando vítimas de um movimento que, na prática, procura controlar a própria comunidade.