Moro quer retomar o controle dos presídios e “isolar lideranças criminosas”

Sérgio Moro disse hoje (4) que planeja “aprofundar” o emprego da Força Tarefa de Intervenção Penitenciária, coordenada pelo Departamento Penitenciário Nacional, para auxiliar os estados que enfrentem crise no sistema carcerário.

“Onde a força tem atuado temos visto uma grande diferença”, disse o ministro, ao participar de reunião do Conselho Nacional dos Secretários de Estado da Justiça, da Cidadania, Direitos Humanos e Administração Penitenciária (Consej), no Palácio Iguaçu, em Curitiba (PR).

Ao falar sobre a proposta do pacote anticrime, o ministro da Justiça ressaltou a necessidade de desmantelar o crime organizado desarticulando a capacidade de liderança dos grupos, algo vital para a retomada de controle dos presídios, hoje controlados em parte pelo poder do tráfico.

“Queríamos aprofundar essa política. Nossa ideia é utilizar esta força de intervenção para uma atuação até mais preventiva que reativa em algumas penitenciárias conhecidas por suas dificuldades e tentarmos retomar o controle de maneira mais rápida”, disse Moro, segundo a EBC.

“Temos que isolar as lideranças criminosas (…), temos oferecido [aos estados] o apoio dos presídios federais, mas é importante que somente os presos de elevada periculosidade sejam enviados para os presídios federais. Este crivo é de responsabilidade dos estados. Porque se forem mandados presos que não se encaixam neste perfil, o pior risco é eles ficarem um tempo por lá e voltarem pior, aí sim como lideranças”, comentou.