Xuxa insinua que a vida de presidiários vale menos que a de animais de laboratório

Xuxa, a famosa “rainha dos baixinhos”, fez uma declaração que não parece nada humana, ao insinuar que a vida de presidiários vale menos que a de animais de laboratório. Isso foi o que ela deu a entender ao defender que detentos sejam usados para experimentos de remédios e cosméticos, em vez desses animais.

“Acho que, com remédios e outras coisas, eu tenho um pensamento que pode parecer muito ruim para as pessoas, desumano… na minha opinião, existem muitas pessoas que fizeram muitas coisas erradas e estão aí pagando seus erros para sempre em prisões, que poderiam ajudar nesses casos aí, de pessoas para experimentos”, disse Xuxa.

A declaração foi dada durante uma entrevista no perfil da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), na sexta-feira (26). Na sequência da sua fala, Xuxa foi ainda mais enfática ao defender o uso de presidiários para experimentos:

“Acho que pelo menos serviriam para alguma coisa antes de morrer, para ajudar a salvar vidas com remédios e com tudo”, disse ela, aparentando uma visão de total desprezo para com a vida humana dos presidiários.

“Aí vem o pessoal dos Direitos Humanos e dizer que não podem ser usados. Mas se são pessoas que está provado que irão passar sessenta, cinquenta anos na cadeia e que irão morrer lá, acho que poderiam usar ao menos um pouco da vidas delas para ajudar outras pessoas. Provando remédios, vacinas, provando tudo nessas pessoas”, completou Xuxa.

Opinião Crítica

Segundo informações do Notícias da TV, Xuxa já teria se arrependido da sua declaração e pedido perdão, dado à repercussão negativa da sua fala em defesa do experimento com presidiários.

“Estou aqui pedindo desculpas a todos vocês. Não usei as palavras certas. Pensei uma coisa, pensei muitas coisas, quis falar sobre muitos assuntos e não fugir do assunto que era animais, maus-tratos, e também fiz a mesma coisa. Também julguei, maltratei, usei palavras que não deveriam ter sido usadas. Então estou aqui pedindo desculpas”, disse ela.

O fato é que a declaração dada por Xuxa anteriormente não tem indicativo algum de ter sido impulsiva, mas sim o contrário! Ela indica que foi pensada, sendo uma ideia elaborada que muito provavelmente a apresentadora já tinha em mente, ainda que não a tivesse tornado pública.

O “X” da questão aqui não é se os presidiários merecem ou não serem tratados como cobaias. O fato é que, independentemente de estarmos nos referindo a presidiários, falamos antes de tudo de vidas humanas. Não importa, portanto, qual foi o crime cometido e a pena decretada.

O que importa é que ao defender o uso de presidiários para experimentos farmacêuticos, entre outros, Xuxa não só nivelou, como rebaixou o valor da vida humana a de animais como ratos e macacos. A inversão de valores da apresentadora foi tão explícita que ela indicou isso claramente ao dizer que “pelo menos serviriam para alguma coisa antes de morrer”, se referindo aos presos.

Ou seja, para Xuxa, o ser humano que está num presídio não serve para absolutamente nada! É completamente inútil, salvo decida servir de cobaia para experiências farmacêuticas, pois só assim “pelo menos serviriam para alguma coisa antes de morrer”.

A lógica da punição carcerária, portanto, não faz o menor sentido aos olhos de Xuxa. Se quem cumprirá décadas de cadeia não serve para nada, por que não instituímos logo a execução sumária dos condenados? Se o preso não possui vida própria, ainda que numa cela, tendo a chance de se arrepender dos seus atos e construir ali, na prisão, uma vida diferente, por qual motivo os mantemos vivos?

A fala de Xuxa, portanto, é fruto de extrema arrogância ética! Desumana e indiferente para com a vida dos detentos. Evidentemente, se fosse outra pessoa, talvez o presidente da República fazendo a mesma declaração, o universo cairia em seus ombros. Mas, como é a “rainha dos baixinhos”, um simples pedido de desculpas consertará tudo, não é mesmo?