Terrorista islâmico que matou brasileira é um imigrante que pediu asilo na Europa

O terrorista islâmico que gritou ‘Allahu Akbar’ enquanto decapitava uma mulher e matava duas outras em um ataque a uma igreja católica na França foi fotografado na noite passada.

Brahim Aoussaoui, um tunisiano de 21 anos que chegou à Europa em um barco migrante no mês passado, atacou os fiéis com uma lâmina de 12 polegadas na basílica de Notre Dame, em Nice, começando por volta das 9h, cortando a garganta de uma idosa perto da fonte da igreja em uma tentativa de decapitação.

Ele então matou o sacristão Vincent Loques, de 54 anos, enquanto se preparava para a primeira missa do dia.

A brasileira Simone Barreto Silva, 44, foi esfaqueada várias vezes, mas conseguiu escapar da igreja, correndo para uma lanchonete próxima, onde  sucumbiu aos ferimentos. As últimas palavras da mãe de três filhos para os paramédicos foram: “Diga aos meus filhos que eu os amo”.

Um policial local chamou a polícia, que chegou por volta das 9h10 e atirou em Aoussaoui 14 vezes enquanto ele gritava ‘Allahu Akbar’ – Deus é o maior em árabe – uma frase que ele continuou gritando mesmo depois de ser sedado e colocado em uma ambulância,  disse o prefeito de Nice, Christian Estrosi. 

Aoussaoui chegou a Nice por volta das 6h30 através da estação ferroviária, onde mudou rapidamente de roupa, disse o promotor francês Jean-François Ricard a jornalistas ontem. A CCTV então o mostrou chegando na igreja às 8h30 e ficando lá por quase meia hora.  

O agressor havia entrado na  Europa pela ilha italiana de Lampedusa em 20 de setembro e chegado a Paris em 9 de outubro. A informação da viagem veio de um documento da Cruz Vermelha italiana sobre Aoussaoui, disse Ricard.

Os investigadores encontraram duas facas não utilizadas, um Alcorão e dois telefones celulares, além de uma bolsa com alguns objetos pessoais. Ele era desconhecido dos serviços de segurança franceses, disse Ricard em uma entrevista coletiva.

Uma foto mostrando Aoussaoui sangrando no chão e sendo tratado por paramédicos depois de ser baleado pela polícia foi tuitada pelo chefe da respeitada organização do SITE.

A família de Aoussaoui, falando da empobrecida cidade tunisiana de Bouhajla, onde ele morou antes de ir para a Europa, disse que ele manteve contato com eles desde que chegou à França – enviando uma foto da catedral de Notre Dame antes de realizar seu ataque. 

Seu irmão disse à rede de TV Al Arabiya: ‘Ele [Brahim Aoussaoui] me disse que queria passar a noite em frente à catedral. Ele também me enviou uma foto do prédio. Ele me ligou quando chegou à França. 

Ele então contou sobre o choque da família de que Brahim Aoussaoui era o responsável pelo ataque terrorista. “O que vimos nas imagens é ele, nosso filho”, disseram.

Brahim lutou para encontrar um trabalho regular antes de deixar o país e fez ‘vários empregos’, disse um vizinho.

Enquanto isso, o porta-voz judicial tunisiano disse que Brahim não foi classificado como radical antes de deixar o país e não era conhecido pelas forças de segurança. Ele disse que Brahim deixou o país por volta de 14 de setembro.

Os assassinatos, que ocorreram antes do dia sagrado católico do Dia de Todos os Santos no domingo – e no dia em que os muçulmanos sunitas marcam o aniversário do Profeta Maomé – levaram o governo francês a elevar o nível de alerta terrorista ao nível máximo de “emergência” em todo o país. 

Seguiu-se a advertências de novas atrocidades terroristas poucos dias antes do tumulto na igreja, depois que a Al-Qaeda publicou um comunicado à imprensa pedindo ‘jihad’ (guerra santa) sobre as caricaturas do Profeta no jornal Charlie Hebdo. Com: Daily Mail.