Senador dos EUA acusa o Twitter de “interferência eleitoral” após remoção de posts

O senador Ted Cruz confirmou na quinta-feira que o Comitê Judiciário do Senado votará para intimar o CEO do Twitter, Jack Dorsey, para ele dar esclarecimentos já na próxima sexta-feira sobre a decisão de sua empresa de remover da plataforma uma matéria do New York Post sobre Hunter Biden, filho do candidato à presidência dos EUA, Joe Biden.

Segundo o NYP, Hunter estaria envolvido em um esquema de corrupção que pode afetar o seu pai, Joe Biden. O jornal publicou emails que teriam sido resgatados do seu computador, os quais comprovariam a existência de um esquema escandaloso capaz de ameaçar a candidatura do seu pai.

A matéria do NYP, no entanto, foi censurada no Twitter e no Facebook. Às duas redes sociais alegaram medida de precaução contra a “desinformação”, até que os fatos pudessem ser comprovados.

Membros do partido Republicano (de direita), no entanto, alegam que a mesma medida não foi tomada em outras ocasiões, quando o presidente Donald Trump também foi alvo de acusações sem provas. Para Ted Cruz, portanto, o Twitter estaria agindo politicamente, o que viola o compromisso da plataforma de neutralidade ideológica.

“Esta manhã, a história aumentou e ficou ainda pior. O New York Post escreveu uma segunda história em uma série de e-mails que indicam ainda mais corrupção… Há poucos minutos, tentei compartilhar essa história no Twitter e o Twitter está ativamente bloqueando histórias do New York Post alegando corrupção”, disse o senador Cruz.

“Isso é interferência eleitoral e estamos a 19 dias de uma eleição. Não tem precedentes na história da democracia. O Comitê Judiciário do Senado quer saber o que diabos está acontecendo!”, frisou o senador. Com informações do Hannity.