Georgia declara estado de emergência após onda de protestos que já matou 5 pessoas

O governador da Geórgia, Brian Kemp, declarou estado de emergência na segunda-feira, após o aumento de tiroteios pelo quarto fim de semana de julho que feriu 31 pessoas e matou cinco durante uma semanas de crimes violentos e destruição de propriedades em Atlanta.

A medida autoriza a convocação de 1.000 soldados da Guarda Nacional para “proteger as propriedades do Estado e patrulhar nossas ruas”.

“Protestos pacíficos foram sequestrados por criminosos com uma agenda perigosa e destrutiva. Agora, georgianos inocentes estão sendo alvejados, mortos a tiros e deixados para morrer”, disse Kemp, republicano, em comunicado.

“Essa ilegalidade deve ser interrompida e a ordem restaurada em nossa capital. Declarei um estado de emergência e chamei a Guarda da Geórgia porque a segurança de nossos cidadãos vem em primeiro lugar”, completou.

“Essa medida permitirá que as tropas protejam a propriedade do estado e despachem policiais estaduais para patrulhar nossas ruas. Chega de conversas difíceis”, acrescentou. “Devemos proteger a vida e os meios de subsistência de todos os georgianos”.

Os guardas serão designados para proteger prédios do estado, incluindo o Capitólio, a mansão do governador e a sede do Departamento de Segurança Pública. Sua presença vai autorizar policiais aumentarem as patrulhas nas estradas e nas comunidades, especialmente em Atlanta , disse Kemp.

Entre os mortos no fim de semana estava uma menina de 8 anos . Secoriea Turner estava andando de carro no sábado à noite em Atlanta, quando pelo menos duas pessoas abriram fogo contra o veículo.

O tiroteio aconteceu perto do restaurante de fast-food de Wendy, onde um homem chamado Rayshard Brooks foi morto por um policial no mês passado, provocando semanas de protestos e confrontos entre manifestantes e polícia.

As autoridades disseram que Turner estava no carro com a mãe e outro adulto quando o motorista tentou atravessar barricadas ilegalmente colocadas para chegar a um estacionamento. Um grupo de indivíduos armados havia bloqueado a entrada. Em uma entrevista coletiva emocionante, a prefeita de Atlanta, Keisha Lance Bottoms, criticou os suspeitos.

“Vocês atiraram e mataram um bebê”, disse ela. “E não havia apenas um atirador, havia pelo menos dois atiradores.”

Outras cidades também estão enfrentando uma onda de violência armada no longo fim de semana. Pelo menos seis crianças foram mortas em uma série de incidentes de tiros na cidade de Nova York, onde tive oito pessoas mortas e 44 baleadas.

Em Chicago, onde a violência armada levou a níveis recordes de tiroteios nos últimos anos, mais de 67 pessoas foram baleadas no fim de semana e pelo menos 13 foram mortas. Com: Fox News