Chanceler da Alemanha diz que decretar lockdown na Páscoa foi um erro e pede perdão

A chanceler alemã, Angela Merkel, fez um raro pedido de desculpas público depois que foi pressionada a abandonar um bloqueio rígido de cinco dias durante a Páscoa apenas 33 horas depois de anunciá-lo, deixando a gestão de seu governo da pandemia ainda mais em desordem.

Merkel desistiu da proposta, chamando-a de “erro”, depois de uma videoconferência organizada às pressas na quarta-feira com os chefes dos 16 estados do país. Ela defendeu o que teria sido uma das medidas mais difíceis da Alemanha desde o início da pandemia, mas disse que não havia tempo suficiente para implementá-la adequadamente.

“Para ser absolutamente clara, este erro é única e exclusivamente meu, já que no final sou eu quem carrega a responsabilidade final”, disse ela a repórteres em Berlim nesta quarta-feira (24), reconhecendo que o episódio aumentará incertezas na população. “Lamento profundamente isso e peço perdão a todos os cidadãos”, disse Merkel.

A retirada significa que a Alemanha continua sob restrições que foram gradualmente afrouxadas antes que uma terceira onda de infecções se apoderasse da maior economia da Europa. Merkel e líderes estaduais prorrogaram as medidas até 18 de abril no início desta semana.

A Alemanha também está tentando impor restrições às viagens para destinos de férias no exterior, disse a porta-voz de Merkel, Ulrike Demmer, na quarta-feira em uma entrevista coletiva regular do governo.

Os atuais freios de bloqueio, que estão efetivamente em vigor há quatro meses, são relativamente brandos em comparação com outros países e incluem o fechamento parcial de lojas não essenciais e o fechamento de hotéis, restaurantes, academias e espaços culturais.

O bloqueio da Páscoa foi a única iniciativa nova depois de mais de 11 horas de tensas discussões que terminaram no início da terça-feira. O plano gerou críticas generalizadas, pegou as autoridades desprevenidas e criou confusão sobre a implementação.

A Alemanha tem lutado para traçar um plano claro diante de um novo aumento de casos de Covid-19 e em meio a uma lenta campanha de vacinação. Isso está fazendo com que a frustração pública com a forma como o governo lida com a crise cresça apenas seis meses antes de uma eleição nacional.

O bloco conservador de Merkel – também lutando com um escândalo sobre legisladores que lucram com a pandemia – despencou nas pesquisas. Sua vantagem sobre os verdes do segundo lugar diminuiu para 8 pontos percentuais esta semana, de acordo com uma média de pesquisas calculada pela Bloomberg.

O ministro das Finanças, Olaf Scholz, candidato a chanceler do SPD, disse que a decisão de fechar negócios no fim de semana da Páscoa foi tomada em conjunto e todos os partidos governantes compartilham a responsabilidade. “Espero que ninguém tenha uma lacuna de memória sobre isso mais tarde”, disse ele em entrevista coletiva.

Armin Laschet, o chefe do partido da União Democrata Cristã de Merkel e um dos principais contendores para ser o candidato a chanceler do bloco conservador, disse que recuar o bloqueio da Páscoa é a coisa certa a fazer.

“Não se pode simplesmente introduzir um feriado público em dez dias”, disse ele a legisladores na Renânia do Norte-Vestfália, onde também é o primeiro ministro estadual. Com: Bloomberg.