“Todos têm a mesma cor”, diz Bolsonaro após a morte de homem negro no Carrefour

O presidente Jair Bolsonaro fez uma publicação no Dia da Consciência Negra criticando visões que, para ele, servem para segregar ainda mais a população. A declaração surgiu horas após um homem negro ser morto em uma loja do Carrefour, em Porto Alegre.

“Existem diversos interesses para que se criem tensões entre nosso próprio povo”, afirmou o chefe do Executivo, argumentando que a divisão social apenas favorece o aumento dos problemas enfrentados pelo país.

“Estamos longe de ser perfeitos. Temos, sim, os nossos problemas, problemas esses muito mais complexos e que vão além de questões raciais. O grande mal do país continua sendo a corrupção moral, política e econômica. Os que negam este fato ajudam a perpetuá-lo”, afirmou o presidente.

Bolsonaro explicou que o Brasil é um país miscigenado, onde a diversidade racial é uma característica comum, o que reforça a necessidade de uma só visão entre todos, sem haver discriminação por questão de cor, quer seja entre negros ou brancos.

“O Brasil tem uma cultura diversa, única entre as nações. Somos um povo miscigenado. Brancos, negros, pardos e índios compõem o corpo e o espírito de um povo rico e maravilhoso. Em uma única família brasileira podemos contemplar uma diversidade maior do que países inteiros”, afirmou.

“Não nos deixemos ser manipulados por grupos políticos. Como homem e como Presidente, sou daltônico: todos têm a mesma cor. Não existe uma cor de pele melhor do que as outras. Existem homens bons e homens maus. São nossas escolhas e valores que fazem a diferença”, completou o presidente.