Receita mira a Globo e poderá cobrar impostos retroativos de antigas celebridades

A Receita Federal, órgão ligado ao governo do presidente Jair Bolsonaro, resolveu passar um “pente-fino” nos contratos de Pessoa Jurídica de antigas celebridades firmados com a Rede Globo de Televisão.

A iniciativa é uma tentativa de descobrir supostas irregularidades no pagamento do Imposto de Renda envolvendo a emissora nos últimos anos. Ao menos 43 atores e atrizes do primeiro escalão já receberam notificações do fisco com a exigência de esclarecimentos sobre a relação que mantêm com a Globo, segundo o Notícias da TV.

Nomes como Deborah Secco e Reynaldo Gianecchini já apareciam em uma lista noticiada pela Veja em janeiro desse ano, e agora os nomes de Malvino Salvador e Maria Fernanda Cândido também foram divulgados, enquanto outras celebridades estão em sigilo.

“As notificações para prestar esclarecimentos vêm sendo reiteradamente respondidas. As pessoas jurídicas que têm os maiores faturamentos na Globo já receberam, ao menos, três renovações de pedidos de esclarecimento”, informou o advogado Leonardo Antonelli, responsável pela defesa de 43 artistas.

Se for constatado que houve alguma irregularidade, a intenção da Receita é cobrar os impostos devidos, retroativamente. Ou seja, todos os valores não repassados ao fisco terão que ser pagos, o que poderá acarretar em um grande prejuízo aos envolvidos, os quais também poderão pagar multas e juros.

Em nota, a Rede Globo afirmou que não há ilegalidade nos contratos firmados com os seus artistas.

“Todas as formas de contratação praticadas pela Globo estão dentro da lei. Assim como qualquer empresa, a Globo e as empresas que lhe prestam serviços são passíveis de fiscalizações, tendo garantido por lei também o direto de questionar, em sua defesa, possíveis cobranças indevidas”, diz trecho do documento.

Psicóloga diz que a Globo transformou pandemia “em um show televisivo”