Decotelli diz que Bolsonaro pediu “diálogo, gestão e integração operacional”

O novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, falou que ficou surpreso ao ser convidado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir a pasta da educação. O governo estava avaliando outros três nomes e ainda não tinha dado pistas sobre o economista, que também é oficial da Marinha.

“Eu estava dando aula ontem (quarta), e fiz hoje (quinta) a reunião. Fui pego de surpresa”, afirmou Decotelli, destacando que no encontro que teve com Bolsonaro, antes da nomeação oficial, o presidente lhe fez alguns pedidos.

“O que ele (Bolsonaro) pontuou foi, primeiro, fazer uma gestão voltada para a educação da sociedade brasileira, conforme o marco regulatório da educação”, disse ele, segundo informações do Correio Braziliense.

“Em segundo lugar, fazer o melhor diálogo com as entidades representativas da educação — as universidades federais, os centros técnicos. Melhor diálogo também com entidades de classe. Todos aqueles que querem fazer o melhor pela educação brasileira. Então, diálogo, gestão e integração operacional”, completou.

Analistas enxergaram a nomeação de Decotelli como um passo rumo à “pacificação” do governo em relação aos críticos da gestão anterior, feita pelo ex-ministro Abraham Weintraub.