“Programas jornalísticos ficam fazendo terrorismo”, diz psicóloga sobre a pandemia

A psicóloga e escritora Marisa Lobo, pré-candidata à Prefeitura de Curitiba, no Paraná, participou de um programa na Rede Mundial de TV, onde foi discutido “o papel do Estado na promoção do direito fundamental à crença religiosa e os impactos positivos na saúde da população” durante o período de pandemia do novo coronavírus.

Marisa, que já alertou sobre os efeitos psicológicos da pandemia em um artigo publicado para o Opinião Crítica, voltou a criticar medidas de natureza restritiva nos estados e municípios, apontando que em alguns casos elas têm sido utilizadas para impor o “medo” na população.

“A criança está trancada dentro casa com o abusador. A mulher está trancada dentro de casa com o homem violento. E ele não pode sair, não pode caminhar, a violência aumenta. Então, quer dizer, nós estamos gerando muitos transtornos…”, alertou Marisa Lobo.

Na sequência, a psicóloga recomendou que a sociedade não assista a programas jornalísticos que “ficam fazendo terrorismo com a gente o tempo inteiro. Eles querem te aprisionar pelo medo e aí você fica refém e dá ibope para o medo”, disse ela. Assista abaixo:

Marisa Lobo fala das consequências impensadas da quarentena. (1 minuto)

Posted by Marisa Lobo on Sunday, July 26, 2020