Lula sobre ditadura: ‘Por que Merkel pode ficar 16 anos no poder e Ortega não?’

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu uma entrevista às repórteres Pepa Bueno e Lucía Abellán, do jornal El País, onde acabou minimizando a barbaridade de algumas ditaduras ao fazer um comparativo com regimes reconhecidamente democráticos, como os da Alemanha e do Reino Unido.

“Eu era contra a candidatura de Daniel Ortega mais uma vez [ao quarto mandato na Nicarágua]. A Frente Sandinista tem muita gente para se candidatar. Também fui contra Evo Morales ser candidato [ao quarto mandato na Bolívia]— ele já havia feito dois mandatos extraordinários. E o mesmo com [Hugo] Chávez [ ao terceiro mandato na Venezuela]. Posso ser contra, mas não posso interferir nas decisões de um povo”, afirmou o petista.

Lula, então, completou: “Por que Angela Merkel pode ficar 16 anos no poder [na Alemanha], e Daniel Ortega não? Por que Margaret Thatcher pode ficar 12 anos no poder [no Reino Unido], e Chávez não? Por que Felipe González pôde ficar 14 anos no poder [na Espanha]?”

Ou seja, em sua fala inicial, Lula quis transmitir a ideia de que é contra a perpetuação no poder, algo típico dos regimes ditatoriais, mas em seguida fez um comparativo com os regimes da Alemanha (Angela Merkel) e Reino Unido (Margaret Thatcher), focando no tempo de governo, para fazer parecer que não haveria diferença em relação aos regimes autoritários.

A declaração de Lula é uma clara revelação do seu viés autoritário, pois mostra que ele relativiza a realidade para endossar a sua visão de governo. Ortega assumiu o quarto mandato na Nicarágua numa “eleição” com 80% de abstenção, depois de prender todos candidatos presidenciais adversários e extinguir partidos de oposição, segundo a Veja.

Na ditadura venezuelana, cujo regime provocou uma catástrofe humanitária nos últimos anos, não é diferente. A oposição é perseguida, ameaçada e presa, assim como as “eleições” são amplamente questionadas. Cidadãos que lutaram por democracia já foram mortos nas ditaduras citadas por Lula, em confronto com os agentes do governo.

Na Nicarágua, por exemplo, foram mais de 350 pessoas mortas em 2018 quando milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra Ortega, segundo o El País. Em contrapartida, Merkel e Thatcher permaneceram no poder porque foram legitimamente eleitas, e dentro de um processo reconhecidamente democrático que em nada se compara aos regimes ditatoriais citados pelo ex-presidiário.

Lula, inclusive, também fez um comparativo da sua própria prisão no Brasil aos opositores presos na Nicarágua, insinuando que a truculência do ditador Ortega seria equiparável ao ocorrido com ele na Justiça brasileira, sendo esse mais um comparativo absurdo. Assista, abaixo: