Janaína volta a defender Bolsonaro: “No que depender de mim, não terá impeachment”

Janaína volta a defender Bolsonaro:
Reprodução: Google

A deputada e advogada Janaína Paschoal (PSL-SP) voltou a defender o governo do presidente Jair Bolsonaro contra um possível processo de impeachment, lembrando a grande diferença das gestões anteriores, marcadas por escândalos de corrupção, em relação a atual.

“Aos que não se lembram e aos que têm interesse em não lembrar: Foram TREZE ANOS de desmandos do PT no poder! TREZE ANOS com Mensalão, Petrolão, Vassalagem a ditaduras amigas, obras faraônicas fora do país, remessas de dinheiro público ao exterior, perseguições nas Universidades”, disse ela.

A parlamentar deixou claro que suas críticas ao governo Bolsonaro não se confundem com o fato de não enxergar avanços e a legitimidade do seu mandato, não havendo razões concretas para um processo de impeachment contra o presidente.

“Tirar o PT do poder foi um parto demorado e dolorido. Meu papel foi muito além de bater panela na janela da sala! São dois anos de um governo de direita. Tenho várias críticas a esse governo, muitas decepções. Mas eu não sou BURRA para sair correndo para os braços do PT…”, destacou.

“Numa tal Frente Ampla entre os que sempre dominaram (e ainda dominam) este país. Não vai ser pressão que vai me pautar. Seguirei crítica a Bolsonaro, pois não sou baba ovo de ninguém. Mas no que depender de mim, não terá impeachment!”, concluiu a deputada.

Em outras postagens em suas redes sociais, Janaína já havia dito que não há “elementos para o impeachment de Bolsonaro”, mas fez um alerta aos apoiadores do presidente sobre a necessidade de mudança de postura, pedindo para que não entrem nas provocações da oposição.

“Para o pessoal que não se importa em conhecer a íntegra dos textos e entrevistas, traduzo: não vejo elementos para impeachment de Bolsonaro, mas percebo um clima ruim se formando, por isso, volto a aconselhar o Presidente, assessores e deputados apoiadores a serem menos infantis”, disse ela.

Janaína diz que não oferecer tratamento precoce contra Covid é “omissão de socorro”