“Chama de robô agora”, diz vereador ao ironizar narrativa da oposição

Não é de agora que os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro são chamados pela oposição e até por parte da grande imprensa de “robôs”. Essa narrativa surgiu já em 2018, durante o pleito presidencial, e ganhou força desde então, servindo de alimento até mesmo para a abertura de inquéritos como o das “fake news” e dos “atos antidemocráticos”.

As manifestações do último dia 7 de setembro, no entanto, demonstraram mais uma vez que a tentativa da oposição de querer desqualificar a veracidade do apoio ao governo, fazendo parecer que se trata de algo fabricado virtualmente, é pura fantasia típica dos “negacionistas do povo”.

Só em Brasília, segundo uma atualização feita pela Polícia Militar, a estimativa de público ficou em 400 mil, segundo informações do Metrópoles, e não as 105 mil pessoas previstas inicialmente. Se na capital federal o número foi esse, em São Paulo é provável que tenha sido muito maior. Organizadores falaram até em 3 milhões, enquanto a PM paulista em 125 mil.

Independentemente da precisão dos números, quer sejam manipulados ou não, o fato é que as imagens e vídeos falam por si só, de modo que para reconhecer a grandiosidade dos atos requer apenas um mínimo de bom senso e honestidade intelectual, algo que a velha imprensa e a oposição parece não ter.

E quem aproveitou a situação para ironizar os críticos foi o vereador Nikolas Ferreira, o 2º mais votado da história de Belo Horizonte. Ele postou fotos e vídeos das manifestações em BH e na Paulista, mostrando a discrepância entre a narrativa da oposição e o mundo real. “Chama de robô agora”, brincou o vereador. Veja abaixo: