“É preciso discutir uma nova governança mundial”, diz o ex-presidiário Lula

O ex-presidiário Luiz Inácio Lula da Silva concedeu uma entrevista onde falou sobre vários assuntos de ordem política, destacando também algo bastante chamativo, que foi a suposta necessidade de uma “nova governança mundial” capaz de unir os países em um esforço para benefícios conjuntos.

“É preciso discutir uma nova governança mundial. Já foi provado que, quando a pandemia chegou, os países não estavam preparados. Cada um tentou achar uma solução por conta própria. Não há saída individual para essa crise, precisamos tomar decisões que beneficiem todos os países”, disse o petista.

Não ficou claro sobre quais poderes uma “governança mundial” teria, ou mesmo em que nível se daria essa liderança, mas Lula pareceu falar no sentido de articulação política, algo semelhante ao que já faz a ONU, porém, de forma mais descentralizada.

Essa visão, contudo, corrobora com o que muitos críticos chamam de “globalismo”, uma teoria que defende a existência de um movimento de organizações e figuras poderosas que desejam submeter todos os países ao controle de um governo único, isso não apenas em sentido político, mas também cultural.

Esse governo não exerceria o poder direto sobre os países, mas teria total capacidade de influenciá-los, ditando os rumos de suas decisões em prol de uma “visão comum”. Esse conceito, no entanto, não agrada em nada os conservadores e a maioria dos cristãos, visto que eles enxergam nisso um cenário propício para perseguições, censura e controle até mesmo das liberdades individuais e morais.