“A esquerda está apavorada; é capaz do Lula votar no Moro”, avalia Marisa Lobo

Ocorreu na noite da última quarta-feira (1) uma live realizada pelo Movimento Brasil à Direita, presidido pelo ativista Thiago Turetti. Ele conversou com a psicóloga, escritora e presidente do Partido Trabalhista Brasileiro no Paraná, Marisa Lobo. Ambos trataram do cenário conservador para a disputa eleitoral de 2022.

Com ampla experiência no ativismo conservador brasileiro, a psicóloga também falou um pouco da sua trajetória de 20 anos de militância, onde destacou a luta contra a chamada “ideologia de gênero”, tema de boa parte dos seus livros, como “Famílias em Perigo” e “Ideologia de Gênero na Educação”.

Partindo para o campo político, Turetti criticou o fato de alguns parlamentares utilizarem mais às redes sociais do que a função legislativa para a execução de trabalhos relevantes ao país. Marisa concordou, frisando que o objetivo de alguns é apenas se popularizar por meio da internet.

Para a psicóloga, muitos projetos conservadores não são aprovados na Câmara ou Senado porque os parlamentares se preocupam mais em fazer propaganda antecipada das propostas, do que dar andamento a eles de forma estratégica. “Precisam falar menos e fazer mais”, disse ela.

Segundo Marisa, a o excesso de publicidade das iniciativas conservadoras, de forma antecipada, tendo como único objetivo capitalizar engajamento nas redes, permite com que a oposição se articule para barrar o andamento dos projetos, o facilitando assim o trabalho da oposição.

Turetti e Marisa também concordaram sobre a necessidade de renovação da Câmara e do Senado. Eles rebateram algumas críticas contra o presidente Jair Bolsonaro, afirmando que a exigência que alguns fazem sobre o governo não se respalda pela falta de maior apoio no Parlamento.

Segundo a psicóloga, existe um “grupo muito pequeno” de parlamentares que realmente apoiam o presidente, se comparado ao total de deputados e senadores.

Ainda segundo Marisa, os conservadores precisam lutar pela reeleição do presidente, mas tendo a consciência de que precisam “votar certo em 2022” para os demais cargos. Assista a live completa, abaixo: