Abusos

Polícia liberta mais de 1.000 pessoas em regime de escravidão em centros islâmicos

Entre as vítimas, muitos jovens e crianças com até 5 anos, diz agência internacional

24/10/2019 19h18Atualizado há 2 meses
Por: Opinião Crítica
Fonte: The Christian Post
Um adolescente está com os pés amarrados a uma roda no estado de Kaduna, na Nigéria. | Reuters
Um adolescente está com os pés amarrados a uma roda no estado de Kaduna, na Nigéria. | Reuters

Centenas de pessoas foram libertadas depois que as autoridades começaram a reprimir escolas de reforma islâmica ilegalmente operadas no norte da Nigéria, onde estudantes do sexo masculino foram acorrentados, espancados, escravizados, famintos e, em muitos casos, estuprados. 

O governo do presidente Muhammadu Buhari anunciou em 15 de outubro que não toleraria mais abusos e condições desumanas em instituições conhecidas como Almajiris - escolas onde muitos pais em toda a região enviam seus filhos para educação, reabilitação ou disciplina islâmica. 

O anúncio ocorreu após uma operação de setembro no estado de Kaduna, onde mais de 300 homens e meninos foram resgatados, muitos dos quais mostraram sinais de abuso. As autoridades descobriram que crianças de até 5 anos estavam acorrentadas a grades de metal com os pés amarrados juntos. 

Desde o anúncio, mais vítimas foram libertadas dos centros de reforma islâmicos invadidos pelas autoridades dos estados de Kaduna e Katsina, incluindo um centro localizado na cidade de Buura, Daura, na cidade de Buhari. 

"O presidente ordenou que a polícia dissolvesse todos esses centros e que todos os presos fossem entregues aos pais", disse um porta-voz presidencial à imprensa. "O governo não pode permitir centros onde pessoas, homens e mulheres, sejam maltratadas em nome da religião."

As autoridades anunciaram em 19 de outubro que invadiram um segundo centro de reformas islâmicas em Kaduna, libertando 147 pessoas. A iniciativa marcou a quarta operação em um mês contra os centros de reforma islâmica no norte da Nigéria. Segundo a Reuters, mais de 1.000 pessoas foram libertadas das escolas.

Diferentemente de outras operações, a mais recente à escola na área de Rigasa, em Kaduna, resultou na libertação de 22 mulheres cativas, disse uma autoridade do governo Kaunda à Reuters. A força-tarefa foi ordenada pelo governador de Kaduna, Nasir El Rufai. 

A escola em Rigasa era de propriedade da mesma pessoa que possuía uma das duas escolas invadidas em Katsina no início da semana passada. 

O Daily Trust relata que até a semana passada, instituições conhecidas como Malam Bello Mai Kawari e Malam Niga serviam como centros tradicionais de reforma e reabilitação (islâmica) na área do governo local de Katsina. 

Mas ambas as instituições foram fechadas pela polícia local. A polícia invadiu as instituições depois que algumas das vítimas se revoltaram e escaparam. Cerca de 67 pessoas foram resgatadas na segunda-feira passada durante o ataque ao centro localizado em Daura, onde pelo menos 300 presos foram mantidos.

"Durante as investigações, 67 pessoas de 7 a 40 anos foram presas com correntes", disse o porta-voz da polícia de Katsina, Sanusi Buba, em comunicado. "Também se descobriu que as vítimas foram submetidas a vários tratamentos desumanos e degradantes".

Muitos foram enviados à escola para aprender o Alcorão ou para receber tratamento para dependentes químicos. "Também se descobriu que as vítimas foram submetidas a vários tratamentos desumanos e degradantes", disse Buba, segundo a Reuters. 

A polícia prendeu Mallam Bello Abdullahi Umar, de 78 anos, e Malam Salisu Hamisu, por crimes como confinamento indevido, crueldade com crianças e conspiração criminosa. 

Fahad Jabrila Mubi, do estado de Adamawa, disse à polícia que ele ficou no centro de Daura por dois anos. Durante esse período, ele disse que viu seis pessoas morrerem e duas desenvolverem problemas mentais devido aos abusos. 

Mubi afirmou que o estupro era comum e o dinheiro enviado pelos pais dos alunos era usado pelos professores. 

"O proprietário (Malam Bello) está ciente do que está acontecendo aqui. Ele também sodomiza os presos", acusou Mubi, de acordo com o Daily Trust. "Não há nenhuma lição sendo ensinada aqui, não adoramos ou rezamos, é sempre batendo e mais surras. Temos pessoas que passaram cerca de oito anos, cinco, três e um ano aqui. ”

Mubi disse que ele e outros estavam regularmente famintos e privados de medicamentos.

Hassan Adamu, uma vítima mantida na mesma instalação, disse ao The Daily Trust que havia dezenas de pessoas alojadas em cada cômodo da instalação. 

“Sou assistente do líder do meu quarto. Tínhamos 32 em um quarto. E é uma sala pequena", explicou Adamu. "Se você é pressionado à noite ou quer defecar, temos sacos de celofane que usamos e passamos pela janela para quem dorme ao ar livre."

"Quanto à urina, nós urinamos dentro de um galão e, se você não tiver um, você urina no recipiente de alimentos", acrescentou. "De manhã, você despeja a urina e usa o mesmo recipiente para seu pai."

Um pai de um dos prisioneiros de Daura disse à Reuters que se arrepende "profundamente" de enviar seu filho ao centro de reabilitação. "Eu ignorava o que realmente estava acontecendo aqui", contestou o pai. 

Quando a primeira escola de reforma islâmica foi invadida em Kaduna no mês passado, os defensores dos direitos humanos alertaram que abusos semelhantes poderiam estar enfrentando muitos outros estudantes de outras escolas de Almajiri na Nigéria.

As autoridades estimaram que existem mais de 9 milhões de estudantes matriculados nas instituições de Almajiri, segundo a AFP . 

A organização não-governamental Almajiri, situada em Abuja, informa que as escolas de Almajiri têm “algumas das condições mais piores que se possa imaginar”, pois muitas vítimas enfrentam “desafios nutricionais agravados pela pobreza nas ruas e quase nenhum emprego ou oportunidade para os adultos de Almajiri em um ambiente cada vez mais desafiador e mundo competitivo.”

Em 2018, a ONG lançou o Dia dos Direitos da Criança de Almajiri, em 25 de maio. para chamar a atenção internacional para os abusos contra crianças de Almajiri.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas