STF

Barroso sobre 2ª instância: não são os pobres que contratam brilhantes advogados

Barroso deixou claro qual é o verdadeiro interesse da revogação da prisão após segunda instância

24/10/2019 15h33
Por: Opinião Crítica
Fonte: Agência Brasil / Comentário: Will R. Filho
Reprodução: Google
Reprodução: Google

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso votou a favor do entendimento da Corte que autoriza a prisão após a condenação em segunda instância da Justiça. Até o momento, o placar do julgamento está em 3 votos a 1 a favor da medida. Após a manifestação do ministro, a sessão foi suspensa e será retomada amanhã (24).

Segundo Roberto Barroso, a prisão em segunda instância sempre foi aceita pelo STF, exceto entre 2009 e 2016. Para Barroso, a decisão provocou um "poderoso incentivo" à protelação das condenações e reforçou a seletividade do sistema recursal, possibilitando que réus ricos consigam evitar a prisão por terem condições de pagar advogados para entrar com recursos.

"Vejam o impacto positivo trazido pela mudança da jurisprudência, que impulsionou a solução de boa parte dos crimes de colarinho branco, porque o temor real da punição levou a uma grande quantidade de colaborações premiadas por réus e de acordos de leniência de empresas, apenas no âmbito da Operação Lava Jato", disse.

Barroso também rebateu os advogados que se manifestaram na semana passada, no primeiro dia de julgamento. Segundo os profissionais, a permissão da prisão para cumprimento antecipado da pena contribui para a superlotação dos presídios.

Segundo o ministro, dados do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) mostram que, a partir de 2016, quando o STF voltou a permitir a prisão em segunda instância, o percentual de prisões caiu. Entre 2009 e 2016, a média de aumento de presos foi de 6,25%. Após 2016, quando volta a possibilidade, a média foi 1,46%, de acordo com o ministro.

"Não foram os pobres que sofreram o impacto da possibilidade de execução da pena após a condenação em segundo grau. Não foram os pobres que mobilizaram os mais brilhantes advogados criminais do país, não creio nisso", afirmou.

Comentário:

O ministro Luís Roberto Barroso expôs de forma muito simples, porém extremamente precisa, qual é a realidade por trás dos interesses no julgamento que visa revogar a prisão em segunda instância: beneficiar os poderosos!

É um fato notável que a grande massa carcerária no Brasil, estimada em 800 mil detentos, não possui recurso algum para protelar a sua defesa no âmbito judicial. Desse modo, o argumento de que os "pobres" são os maiores prejudicados pela prisão após segunda instância cai por terra completamente, visto que esses são presos muito antes disso. Barroso foi certeiro!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas