Aborto

DENÚNCIA: corpos de bebês abortados são vendidos para experiências com ratos

"Esse problema está crescendo", alerta um ativista contra experimentos com bebês humanos abortados

23/10/2019 15h05
Por: Opinião Crítica
Imagem ilustrativa, mas real. Na foto, um vietnamita recolhe o corpo de um bebê abortado para sepultá-lo. Reprodução: Google
Imagem ilustrativa, mas real. Na foto, um vietnamita recolhe o corpo de um bebê abortado para sepultá-lo. Reprodução: Google

Órgãos, ossos e outras partes do corpo de bebês abortados estão sendo vendidos e transplantados em animais de laboratório. Esse não é um capítulo do Frankenstein. É uma realidade que está acontecendo e sendo financiada por pessoas inocentes.

"É abominável em muitos aspectos", disse Anthony Bellotti à CBN News. Ele é fundador e presidente do White Coat Waste Project, um grupo de Washington que denuncia experimentos considerados desperdício de vida e dinheiro dos impostos.

No ano passado, os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) financiaram 200 estudos semelhantes em 50 instituições, principalmente universidades, em 33 estados. Este ano, o NIH estima que gastará US $ 120 milhões em dinheiro dos contribuintes em pesquisas usando partes do corpo de bebê abortados.

"Esta é uma crise atual. Esse problema está crescendo apesar dos republicanos, democratas, pró-vida e defensores dos animais não quererem isso", diz Bellotti.

Terrisa Bukovinac dirige o Pro-Life San Francisco. A maior parte da pesquisa acontece em seu quintal, na Universidade da Califórnia em São Francisco.

"Um dos projetos mais infames que foi recentemente cancelado pelo governo Trump foi um projeto que envolvia humanizar ratos e esse projeto exigia dois fetos saudáveis ​​intocados entre 18 e 24 semanas por mês", disse ela à CBN News.

Quase 70 membros do Congresso de ambos os partidos estão trabalhando para expor essas experiências horríveis. Eles emitiram uma carta exigindo informações do Secretário de Saúde e Serviços Humanos Alex Azar. Entre outras coisas, eles querem saber o número de bebês diferentes usados ​​em cada projeto e a idade gestacional de cada um. 

"É profundamente triste para mim que nosso próprio governo faça parte da criação desse mercado para a compra e venda de parte dos corpos de bebês", disse o representante Matt Gaetz (R-FL) à CBN News. Ele é um dos membros do Congresso que lidera a tarefa de conscientizar os americanos sobre a existência de tais pesquisas.

Em junho, o governo Trump tomou medidas para acabar com a pesquisa fetal humana, mas as brechas permitem que a maior parte delas continue.           

Em resposta, mais de 90 instituições de pesquisa escreveram ao secretário Azar dizendo que "o tecido fetal continua sendo um recurso essencial". Eles creditam que partes do corpo de bebês humanos podem ajudar no desenvolvimento de vacinas contra a poliomielite, a varicela e a raiva.

Eles argumentam que a utilização dessas partes continua sendo algo "crítico para pesquisas clínicas em andamento sobre possíveis tratamentos para esclerose lateral amiotrófica (ELA), lesão medular, doença de Parkinson e desenvolvimento humano".

Os opositores concordam que essa é uma pesquisa importante, mas argumentam que existem alternativas ao tecido fetal humano. Dizem que o uso incentiva abortos tardios, que produzem bebês mais desenvolvidos e mais lucrativos quando vendidos para pesquisa.

Isso significa que os médicos do aborto recebem incentivos para usar técnicas que preservam bebês e todas as suas partes para experimentos científicos.

"Portanto, a única maneira de fazer esses abortos é através de um desmembramento ao vivo ou de uma indução médica que, de acordo com a Sociedade de Planejamento Familiar, é muito provável que produza bebês nascidos vivos", explica Bukovinac.

O deputado Gaetz diz que os experimentos vão contra os valores americanos. "Ao nosso núcleo, à nossa fundação. O reconhecimento da importância da vida é quem somos e nunca podemos fugir disso", disse ele.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas