Transgênero

Homem trans ganha campeonato feminino de ciclismo e acusa críticos de "transfobia"

É cada vez maior o número de transsexuais homens competindo com mulheres biológicas

21/10/2019 21h01
Por: Opinião Crítica
Fonte: Life Site News
Reprodução: Google
Reprodução: Google

O homem biológico Rachel McKinnon ganhou uma medalha de ouro neste fim de semana no Campeonato Mundial de Ciclismo de Pista Masters. O detalhe, porém, é que o campeonato foi disputado entre mulheres.

McKinnon, nascido no Canadá, que também é professor de filosofia na faculdade de Charleston da Carolina do Sul, ganhou pela primeira vez a disputa na faixa etária de 35 a 39 anos no sprint feminino no ano passado. A medalha do último final de semana é a segunda. Ele também ganhou uma medalha de prata no contra-relógio de 500 metros no início da semana.

"Muitas pessoas para agradecer", escreveu McKinnon no Instagram. "Obrigado especialmente às dezenas de fãs que estão torcendo por mim, e estou feliz por ter conhecido um novo amigo Kirsten (Herup Sovang), que levou o bronze." 

Em outras postagens, McKinnon destacou fotos das três medalhistas posando para fotos, nas quais Sovang lhe abraça, enquanto a medalhista de prata Dawn Orwick manteve o braço esquerdo atrás das costas enquanto sorria e acenava educadamente.

McKinnon acusou Orwick de "mau espírito esportivo", alegou que "esperava algo melhor dela" e insinuou que ela teria "muito mais a dizer sobre essa longa bagunça de uma semana e quanta transfobia estava em TODO LUGAR".

A vitória de McKinnon no ano passado já havia rendido controvérsias. Este ano não foi diferente, visto que os críticos alegam que as diferenças biológicas estão sendo ignoradas apenas para agradar o ativismo LGBT, enquanto mulheres, de fato, são prejudicadas nas competições.

Entre os críticos deste ano está a ex-campeã feminina de ciclismo Victoria Hood, que disse que “a ciência está lá e diz que é injusta. O corpo masculino, que passou pela puberdade masculina, ainda mantém sua vantagem. Isso não desaparece. Eu tenho simpatia por eles. Eles têm o direito de praticar esportes, mas não o direito de entrar em qualquer categoria que desejarem”.

McKinnon responde aos críticos geralmente twittando que seu corpo "não produz mais testosterona" e que isso "já faz quase uma década". Ele também acusa Hood de ter "medo irracional de mulheres trans", o que é "a definição de transfobia no dicionário e que isso "não tem lugar no esporte”.

Mas a produção de testosterona não é a única fonte de diferentes habilidades físicas entre homens e mulheres. Em junho, o Journal of Medical Ethics publicou um artigo de pesquisadores da Nova Zelândia descobrindo que “homens jovens saudáveis ​​(não) perdem massa muscular (ou poder) significativo quando seus níveis circulantes de testosterona são reduzidos (abaixo das diretrizes do Comitê Olímpico Internacional).

Além disso, há diferenças como ”estrutura óssea, volume pulmonar e tamanho do coração“ que não são alterados pela terapia hormonal. ”Portanto", diz o comunicado, “a vantagem para as mulheres (homens) oferecidas pelas diretrizes do (Comitê Olímpico Internacional) é uma injustiça intolerável”.

Tais descobertas são consistentes com as de organizações como a USA Powerlifting, que afirma que “os homens naturalmente têm uma estrutura óssea maior, maior densidade óssea, tecido conjuntivo mais forte e maior densidade muscular do que as mulheres. Essas características, mesmo com níveis reduzidos de testosterona, não desaparecem. Embora o MTF (transgêneros) possa ser mais fracos e menos musculosos do que eram antes, os benefícios biológicos dados a eles no nascimento ainda permanecem acima do (sic) de uma mulher. ”

O perfil do McKinnon no Twitter indica que ele também se envolve em algumas das proposições mais extremas do ativismo trans, incluindo a ideia de que “preferências genitais” naturais são “transfóbicas”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas