Contraceptivo

ALERTA: O uso de contraceptivo em adolescentes aumenta o risco para depressão

Um novo estudo revela como os contraceptivos podem aumentar os sintomas depressivos em adolescentes

03/10/2019 15h37
Por: Opinião Crítica
Fonte: Brigham and Women's Hospital
Reprodução: Google
Reprodução: Google

Desde que as pílulas anticoncepcionais se tornaram disponíveis, os pesquisadores tentaram entender a conexão entre o uso de contraceptivos orais e o humor. Um novo estudo liderado por pesquisadores do Brigham and Women's Hospital e University Medical Center Groningen (UMCG), e do Leiden University Medical Center, na Holanda, revela informações novas e importantes sobre a depressão envolvendo mulheres jovens.

Sintomas depressivos - como choro, sono excessivo e problemas alimentares - podem ser muito mais sutis do que a depressão clínica diagnosticada. Mas, ao pesquisar um grupo de mais de 1.000 mulheres a cada três anos, os pesquisadores acumularam um conjunto único de dados sobre esses sintomas subclínicos.

Em um estudo publicado na JAMA Psychiatry, os pesquisadores relataram que não houve associação entre o uso de contraceptivos orais e a gravidade dos sintomas depressivos em toda a população estudada (idades de 16 a 25). No entanto, eles descobriram que meninas de 16 anos relataram maior gravidade dos sintomas depressivos em comparação com meninas de 16 anos que não usavam contraceptivos orais.

"Uma das preocupações mais comuns que as mulheres têm ao iniciar a pílula, os adolescentes e seus pais quando um adolescente está pensando em tomar a pílula, é sobre os riscos depressivos imediatos", disse uma das autoras do estudo, Dra. Anouk de Wit, anteriormente do Departamento de Psiquiatria de Brigham.

De Wit é agora trainee no Departamento de Psiquiatria da UMCG. “A maioria das mulheres primeiro toma uma pílula anticoncepcional oral quando adolescente. Os adolescentes têm muitas questões emocionais desafiadoras para lidar, por isso é especialmente importante monitorar como elas estão”.

"Os sintomas depressivos são mais prevalentes que a depressão clínica e podem ter um impacto profundo na qualidade de vida", disse a co-autora da pesquisa, Dra. Hadine Joffe, vice-presidente de Pesquisa em Psiquiatria do Departamento de Psiquiatria de Brigham e diretora executiva do Connors Center Saúde da Mulher e Biologia de Gênero.

"O nosso é o primeiro estudo desta escala a aprofundar-se nos sintomas de humor mais sutis que ocorrem muito mais comumente que um episódio de depressão, mas afetam a qualidade de vida e preocupam meninas, mulheres e suas famílias", disse ela.

Para conduzir seu estudo, de Wit, Joffe e colegas analisaram dados de mulheres participantes do estudo em um corte prospectivo, Pesquisa de Vidas Individuais de Adolescentes (TRAILS), um estudo longitudinal de adolescentes e jovens adultos da Holanda.

Cada participante preencheu uma pesquisa com perguntas sobre sintomas depressivos, como choro, alimentação, sono, ideação suicida, auto-mutilação, sentimentos de inutilidade e culpa, energia, tristeza e falta de prazer. Suas respostas foram usadas para gerar um escore de gravidade dos sintomas depressivos.

Em todo o recorte de 1.010 participantes, com idades entre 16 e 25 anos analisados, a equipe não encontrou associação entre o uso de contraceptivos orais e a gravidade dos sintomas depressivos. No entanto, eles descobriram que, em média, os participantes de 16 anos de idade que estavam usando contraceptivos orais tinham escores de gravidade dos sintomas depressivos 21% mais altos do que aqueles que não estavam tomando contraceptivos orais. Eles relataram mais choro, mais sono e mais problemas alimentares do que suas colegas.

Os autores observaram que a associação entre uso de contraceptivo oral e sintomas depressivos pode ser bidirecional: o uso de contraceptivo oral pode contribuir para a gravidade dos sintomas, sintomas mais graves podem levar os adolescentes a começar a tomar contraceptivos orais, ou ambos. Estudos observacionais, como este, não podem determinar a direção da causalidade.

"Devido ao desenho do estudo, não podemos dizer que as pílulas causam mudanças de humor, mas temos evidências sugerindo que, às vezes, as mudanças de humor precederam o uso da pílula e, às vezes, a pílula foi iniciada antes que as mudanças de humor ocorressem", disse de Wit.

Outra limitação que os autores observam é que os holandeses são uma população relativamente homogênea - resta saber se esses resultados seriam os mesmos em uma população mais diversa. Os autores também apontam vários pontos fortes do estudo, incluindo seu grande tamanho do recorte estabelecido e bem caracterizado. Além disso, a pesquisa se concentra em sintomas que podem ser preocupantes para adolescentes, pais e médicos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas