Instinto materno

Contrariando o feminismo, estudo comprova a existência do "instinto materno"

Novo estudo científico comprova que a maternidade é biologicamente natural, contrariando narrativas feministas e de gênero

25/07/2019 22h55
Por: Opinião Crítica
Fonte: Neuro Science
Novo estudo científico comprova que a maternidade é biologicamente natural, contrariando narrativas feministas e de gênero
Novo estudo científico comprova que a maternidade é biologicamente natural, contrariando narrativas feministas e de gênero

Pesquisadores identificaram um grupo de neurônios que são ativados pela ocitocina em uma área do cérebro feminino, mas que não estão presentes na mesma área do cérebro de um macho. A atividade alterada desses neurônios pode resultar em depressão pós-parto.

A ocitocina é amplamente referida como o hormônio do amor e desempenha um papel importante na regulação do comportamento social e materno. Nos últimos anos, o sistema de ocitocina no cérebro recebeu uma atenção tremenda como chave para novos tratamentos para muitos transtornos mentais, como ansiedade, transtornos do espectro autista e depressão pós-parto.

Novas pesquisas conduzidas por um biólogo e seus alunos da Louisiana State University (LSU) descobriram um grupo de células que são ativadas pela ocitocina em uma área de cérebros de camundongos fêmeas, mas que não estão presentes na mesma área em cérebros de camundongos machos.

“Muitos pesquisadores tentaram investigar a diferença entre o sistema de ocitocina em mulheres em comparação com os homens, mas ninguém conseguiu encontrar evidências conclusivas até o momento. Nossa descoberta foi uma grande surpresa”, disse Ryoichi Teruyama, professor associado do Departamento de Ciências Biológicas da LSU, que liderou este estudo publicado no PLOS ONE.

As células receptoras de ocitocina estão presentes na área do cérebro que se acredita estar envolvida na regulação do comportamento materno. Além disso, a expressão de receptores de ocitocina nessas células só está presente quando o estrogênio também está presente.

Isto significa que estas células estão envolvidas na indução do comportamento materno. Além disso, confirma o que muitos estudos recentes em humanos mostraram: existe uma conexão entre a expressão alterada de receptores de ocitocina e a depressão pós-parto.

A depressão pós-parto contribui para a saúde materna precária e tem efeitos negativos no desenvolvimento da criança. Uma série de estudos descobriu que os filhos de mães deprimidas correm o risco de uma ampla gama de problemas cognitivos, emocionais, comportamentais e médicos.

Portanto, a depressão pós-parto é uma grande preocupação de saúde pública que tem efeitos adversos significativos na mãe e na criança. Cerca de 10 a 20% das mulheres sofrem de depressão pós-parto.

Esta nova descoberta que ocorreu na LSU abre portas para potenciais novos tratamentos e medicamentos para depressão pós-parto visando células receptoras de ocitocina. "Acho que nossa descoberta pode ser universal para todos os mamíferos que exibem comportamento materno, incluindo os humanos", disse Teruyama.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas