Política externa

Novo primeiro-ministro conservador britânico é comparado a Winston Churchill

Boris Johnson é conhecido por suas gafes, mas também pela defesa de ideais conservadores e capacidade de convencimento

23/07/2019 21h09
Por: Opinião Crítica
Fonte: Fox News / Associated Press

Boris Johnson venceu a eleição de liderança do Partido Conservador na terça-feira e assumirá as rédeas do governo na quarta-feira, cumprindo sua ambição de décadas de se tornar o primeiro-ministro da Grã-Bretanha.

Enquanto os partidários comparam sua impetuosa persona pública a um moderno Winston Churchill, enquanto seus detratores o comparam mais ao presidente Trump, o ex-prefeito de Londres, de 55 anos, terá que demonstrar sua capacidade de guiar o país pelo maior teste desde final da Segunda Guerra Mundial.

Johnson, um ávido defensor do Brexit, tentará ter sucesso quando a primeira-ministra Theresa May faliu - fazendo a Grã-Bretanha honrar o resultado do referendo de 2016 e deixar a União Europeia. Além disso, uma crise com o Irã e um relacionamento com os EUA precisando de reparos o aguardam.

Enquanto ele uma vez brincou que se tornar o primeiro-ministro da Grã-Bretanha era tão provável quanto encontrar Elvis Presley em Marte, sua vida pública um tanto controversa e colorida fez dele um dos políticos mais populares e reconhecidos no país, com muitos acreditando que ele é capaz de ser um premiership de sucesso.

Ele fez campanha durante a eleição de liderança para tirar a Grã-Bretanha da UE na data programada para 31 de outubro - com ou sem acordo, uma promessa que conquistou apoiadores do Brexit, mas criou animosidade com conservadores mais moderados que temem as conseqüências de um não.

Americano de berço

Johnson nasceu em Nova York em 1964 e morou lá até os cinco anos de idade. Seus ancestrais incluem o jornalista turco e ministro do governo Ali Kemal, um dos bisavós de Johnson.

Ele tinha uma dupla cidadania britânico-americana até 2016, quando renunciou, sinalizando sua ambição de se tornar o primeiro-ministro, mas também evitando possíveis responsabilidades fiscais através do Atlântico.

Em 2014, ele teria dito que o governo dos EUA estava tentando taxar a venda de sua casa em Londres, chamando-a de "absolutamente ultrajante". Mais tarde, ele pagou a conta do imposto depois que o Imposto de Renda lhe enviou uma cobrança oficial.

Após a sua educação no colégio Eton College e na Universidade de Oxford, Johnson foi trabalhar como jornalista, incluindo o emprego como correspondente em Bruxelas do Daily Telegraph, onde ele frequentemente informava sobre a regulamentação da Grã-Bretanha na União Européia.

Depois veio sua carreira política, primeiro como membro do Parlamento, depois como prefeito de Londres. A vitória em Londres, um feito impressionante, dado o tradicional controle esquerdista da política na capital, cimentou suas credenciais de poder apelar aos eleitores de maneira geral, em vez de apenas aos conservadores.

Apesar de suas proezas para gafes, Johnson desempenhou um papel fundamental no referendo da UE em 2016, juntando-se à campanha para deixar a UE. Ele logo se tornou o rosto da campanha vencedora.

Logo após o referendo, o então primeiro-ministro David Cameron renunciou, levando Johnson a entrar na corrida para sucedê-lo - mas sua proposta terminou abruptamente depois que um de seus aliados mais próximos, Michael Gove, decidiu concorrer contra ele.

Enquanto a vida pública de Johnson fornece muita munição para seus críticos, alguns também apontaram para sua vida privada estridente e uma história de negócios. Ele anunciou em setembro que estava se divorciando de sua segunda esposa, Marina Wheeler, depois de 25 anos de casamento que produziu quatro filhos. Johnson foi pai de pelo menos mais um filho fora do casamento.

No mês passado, em meio ao calor da corrida da liderança, a polícia foi chamada pelos vizinhos depois de ouvir uma forte discussão entre Johnson e sua namorada, Carrie Symonds. Seus ideais, portanto, podem ser conservadores, mas a suas atitudes deixam a desejar.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas