Comunismo

[Vídeo] China: homens espancam mulheres e ativistas pró-democracia no país

Apesar de não identificados, os homens mascarados foram associados ao regime comunista do país

22/07/2019 11h37Atualizado há 3 meses
Por: Opinião Crítica
Fonte: Estado de Minas / Comentário: Will R. Fiho

A agitação crescia em Hong Kong nesta segunda-feira, um dia depois dos violentos ataques contra manifestantes pró-democracia que deixaram dezenas de feridos e agravaram a crise que abala a antiga colônia britânica.

A onda de protestos começou em 9 de junho neste centro financeiro internacional e no domingo, pelo sétimo final de semana consecutivo, houve grandes manifestações.

Mas quando os manifestantes voltavam para casa, um grupo de pessoas, mascaradas e armadas com porretes e barras de metal, a maioria vestindo camisetas brancas, atacaram vários manifestantes em uma estação de trem em Yuen Long, no norte de Hong Kong.

Várias pessoas foram espancadas, incluindo jornalistas que transmitiram tudo ao vivo. De acordo com fontes médicas, 45 pessoas ficaram feridas, incluindo uma em estado crítico e cinco em estado grave.

A polícia da ex-colônia britânica devolvida à China em 1997 foi muito criticada por ter levado mais de uma hora para chegar ao local, apesar dos pedidos de ajuda e por não ter prendido ninguém, apesar dos agressores permanecerem nas proximidades da estação até a madrugada.

Imagens transmitidas no Facebook mostraram homens vestindo camisas brancas fugindo do local em veículos que tinham placas chinesas.

Lam Cheuk-ting, um deputado democrata ferido no rosto e nos braços, criticou a reação da polícia e culpou as chamadas tríades, gangues criminosas de origem chinesa que operam na China e em Hong Kong.

"Essas manobras bárbaras e violentas superam completamente a linha vermelha da sociedade civilizada de Hong Kong", disse ele.

O ataque alimentou o medo de que as tríades comecem a interferir na crise política.

"Nós temos tríades espancando moradores de Hong Kong. E vocês fingem que nada está acontecendo?", disse outro deputado, Alvin Yeung, referindo-se ao governo.

O chefe de polícia, Stephen Lo, defendeu suas tropas e disse que naquele momento seus agentes estavam mobilizados nos protestos.

"Temos problemas de pessoal", disse ele, chamando de "difamação" as acusações de uma colaboração entre a polícia e as tríades. Ele acrescentou que os agressores serão procurados.

A área de Yuen Long está localizada perto da fronteira com a China, onde gangues criminosas e comitês rurais pró-Pequim são muito influentes.

O movimento de contestação em Hong Kong começou com a rejeição a um projeto de lei, agora suspenso, que autorizava extradições para a China continental. Mas os manifestantes agora exigem uma anistia para os detidos, o sufrágio universal e a renúncia da chefe do executivo local, Carrie Lam.

Comentário:

O número de imagens dos agressores, somando fotos e vídeos, é o suficiente para a identificação e prisão dos mesmos. Todavia, até o momento ninguém foi preso, o que é um absurdo considerando o número de pessoas envolvidas no ataque. Mas, há um motivo?

A natureza da manifestação (pró-democracia), a conivência aparente das autoridades com os agressores, o nível de organização e padronização do grupo de agressores, bem como a possível origem mafiosa (Tríade) deles sugerem que se tratam, sim, de militantes apoiados pelo governo.

O uso da força por meios "clandestinos" é uma característica típica de regimes autoritários, como é no comunismo chinês, assim como no venezuelano, por exemplo, que faz uso de forças paramilitares. O governo utiliza tais recursos para reprimir a população, tendo a "vantagem" de não ter o seu nome oficialmente associado a eles.

Ou seja, dessa forma, internacionalmente o governo autoritário não pode ser acusado formalmente de promover o ato violento, mas sim os grupos "clandestinos", quando na verdade quem os financia e protege é o próprio governo.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas