Intolerância

Mulher é estuprada e depois apedrejada até a morte por radicais islâmicos

Avaliação médica do corpo apontou estupro seguido por nove horas, depois apedrejamento. O caso é mais um entre muitos abafados pela grande mídia

18/07/2019 17h17
Por: Opinião Crítica
Fonte: Christian Post
A monstruosidade não recebe a devida repercussão da mídia, diferente de casos com nível de violência bem menor. Imagem: reprodução
A monstruosidade não recebe a devida repercussão da mídia, diferente de casos com nível de violência bem menor. Imagem: reprodução

Extremistas muçulmanos torturaram e estupraram repetidamente uma mulher cristã por mais de nove horas antes de apedrejá-la até a morte na província síria de Idlib, revelou um relatório internacional.

Segundo a organização International Christian Concern (ICC), que monitora casos de perseguição religiosa em vários países do mundo, Suzan Der Kirkour, de 60 anos, jardineira e professora de árabe, foi encontrada morta em 9 de julho em frente à sua aldeia, al-Yaqoubiyeh, ao Norte da fortaleza jihadista de Jisr Al-Shughour.

Um relatório da autópsia revelou que Suzan foi torturada e estuprada durante nove horas antes de ser apedrejada até a morte. O incidente foi confirmado pela organização humanitária SOS Chrétien's d'Orient, que escreveu em um comunicado que a sua morte foi "cruel" e fruto de constantes ataques dos muçulmanos jihadistas de al-Nusra.

“A autópsia revela que Suzan foi submetida a repetidos estupros desde a tarde de segunda-feira (dia 8) até a madrugada de terça-feira, horas antes da descoberta do seu corpo. Como mártir, ela se une no céu aos milhares de irmãos cristãos que morreram na arena da barbárie”, continuou a declaração.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos também relatou o incidente: “Seu corpo foi encontrado com marcas de tortura nele. E de acordo com a medicina forense, a mulher havia sido torturada por cerca de 9 horas antes de ser apedrejada até a morte por pessoas não identificadas”, diz o documento.

Acredita-se que os agressores sejam membros do grupo terrorista Jabhat al-Nusra, anteriormente afiliado da Al Qaeda, que mantém uma forte presença na província de Idlib. 

Al-Yaqoubiyeh é uma aldeia cristã, mas a maioria das mulheres foi embora por causa da contínua perseguição nas mãos de extremistas muçulmanos. Suzan era um dos poucos cristãos que ainda viviam nas áreas controladas pelo jihadista no norte da Síria.

Claire Evans, gerente regional do ICC para o Oriente Médio, condenou o assassinato e chamou sua morte prematura e a maneira de seu assassinato de "horripilante".

"Isso aprofunda ainda mais a sombra que caiu sobre qualquer cristão que permaneceu na Síria durante quase uma década de violento conflito", disse ela. “Estado de direito, justiça e responsabilidade devem ser restaurados na Síria. Caso contrário, somos testemunhas do lento, mas feroz, extermínio do cristianismo de um país onde existe há mais de 2.000 anos ”.

A guerra civil síria em curso - agora em seu nono ano - forçou a maioria dos cristãos do país a fugir. Antes da guerra, os cristãos representavam aproximadamente 10% da população. Estima-se que  370.000 pessoas foram mortas desde o início da guerra.

No ano passado, o presidente Donald Trump prometeu retirar todas as tropas terrestres dos EUA da Síria, recebendo críticas de  evangélicos conservadores que argumentavam que uma retirada “completa” e “rápida” das tropas americanas poderia colocar comunidades cristãs no norte da Síria em “perigo mortal”. 

A Síria ocupa o 11º lugar na lista de países em que os cristãos enfrentam maior perseguição, segundo informações da organização internacional Portas Abertas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas