Coreia do Norte

Comunismo - Coreia do Norte obrigou famílias assistirem o fuzilamento de parentes

Relatório divulgado por grupo de direitos humanos revela barbaridades praticadas pelo regime comunista da Coreia do Norte

27/06/2019 17h21
Por: Opinião Crítica
Fonte: BBC
Entre os
Entre os "crimes" das vítimas, estavam roubar uma vaca e assistir TV. Foto: reprodução.

Uma ONG sul-coreana disse ter identificado 318 locais na Coreia do Norte que foram usados ​​pelo governo para realizar execuções públicas. O Grupo de Trabalho da Justiça Transicional entrevistou 610 desertores norte-coreanos durante quatro anos para o seu relatório.

Ele documentou décadas de assassinatos, por crimes que vão desde roubar uma vaca até assistir a TV sul-coreana. As execuções públicas ocorreram perto de rios, campos, mercados, escolas e campos esportivos, disse o grupo de direitos humanos.

Multidões de 1.000 ou mais se reuniram para assistir a essas execuções, informou a ONG em seu relatório "Mapeando o destino dos mortos", divulgado na terça-feira.

O relatório alega que os membros da família daqueles sentenciados à morte, incluindo crianças, foram às vezes forçados a assistir ao evento. Os corpos e locais de sepultamento dos mortos raramente eram dados aos seus parentes.

A pessoa mais jovem a testemunhar um assassinato público tinha sete anos de idade, segundo o testemunho. Algumas execuções públicas também ocorrem dentro de instalações de detenção como prisões e campos de trabalho - onde pessoas condenadas por crimes políticos são forçadas a trabalhar fisicamente, como mineração e extração de madeira.

Um desertor detido em um campo de trabalho no início dos anos 2000 descreveu como 80 prisioneiros foram obrigados a assistir ao assassinato de três mulheres acusadas de tentar fugir para a China.

Eles disseram que um funcionário do Ministério de Segurança Popular disse à multidão: "Isso pode acontecer com você". O relatório disse que as execuções são "um método fundamental de incitar o medo e dissuadir os cidadãos de se engajarem em atividades consideradas indesejáveis ​​pelo regime".

Esquadrões de fuzilamento e enforcamento

A grande maioria das execuções acontece por fuzilamento, disseram desertores. Isso geralmente envolve três atiradores atirando três vezes cada no corpo da pessoa condenada.

Alguns entrevistados citaram ocasiões em que aqueles que executavam a execução pareciam estar bêbados. Um disse que "isso é porque matar é algo difícil de se fazer emocionalmente".

Um pequeno número de enforcamentos públicos também foi relatado, embora a ONG tenha dito que eles pareciam ter sido reduzidos ou até parados desde 2005.

Ethan Shin, um dos autores do relatório, disse à AFP que "parece que o número de execuções públicas está em uma tendência de queda", mas que Pyongyang pode simplesmente estar operando com mais sigilo", uma vez que busca o reconhecimento como um estado normal".

Altos funcionários norte-coreanos foram executados no passado. Em 2013, o tio do líder norte-coreano Kim Jong-un foi condenado por traição. Mas relatos de assassinatos são notoriamente difíceis de serem verificados e também se revelaram falsos.

Em 2013, a popular cantora norte-coreana Hyon Song-wol foi acusada de ter sido executada publicamente, com um jornal sul-coreano dizendo que ela foi baleada "em uma chuva de metralhadora enquanto sua orquestra olhava".

Mais tarde, ela reapareceu em 2018 como parte de uma delegação norte-coreana que visitou Seul antes das Olimpíadas de Inverno.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas